90 Anos de Chico Anysio - A REALIDADE DE UM MITO ( Parte 3 )

05/03/2021

Música e Cinema também faziam parte da Rotina de Trabalho de Chico Anysio. Fazia enorme sucesso com Composições Musicais. Entre 1956 e 1957, a cantora Dolores Duran foi a que mais gravou canções feitas por Chico e, até hoje, seu Nome é associado ao Dele. Gravou A FIA DE CHICO BRITO ( regravada anos mais tarde por Elis Regina ), ZEFA CANGACEIRA e outros baiões de Sucesso escritos por Chico. O LP ESSE NORTE É MINHA SORTE, lançado em 1959, é inteiramente de Baiões compostos por Chico em parceria com Dolores. Em 1956, a parceria com o humorista CHOCOLATE ( Dorival Silva ) eternizou HINO AO MÚSICO, gravada pelo Trio Irakitan. " Aprendi a fazer melodia com o Chocolate. Ele disse : ' Vem botar a letra de uma música aqui, que a gente vai fazer um Sucesso com ela lá na RÁDIO NACIONAL ( áquela altura, a emissora tinha Coligação com a Programação da Mayrink Veiga )! Fomos pro terraço - ele imita os instrumentos - e eu botei a letra. Era HINO AO MÚSICO ( ' Música é Alegria.. ' ).. ( .. ) ..Passou a ser o MEU PREFIXO e o dos meus Programas. Aonde vou tocam essa música, e eu cedi os Direitos ao Gerente da Ordem dos Músicos. ", contou em 2010 no Programa MPBambas, do crítico musical Tárik de Souza. Também ao mesmo tempo, se dedicava a trabalhos referentes ás CHANCHADAS da ATLÂNTIDA. Em 1955, fez sua primeira Aparição no Cinema em O PRIMO DO CANGACEIRO, filme de Plinio Campos estrelado pelo comediante Antônio Carlos Pires, Sérgio de Oliveira e Zé Trindade, com Argumento de Jota Ruy e Roteiro de Ruy Costa. No mesmo ano, foi Roteirista de SINFONIA CARIOCA e Roteirista e Dialoguista de TRABALHOU BEM, GENIVAL. No Ano seguinte veio GENIVAL É DE MORTE, e foi também colaborador de Haroldo Barbosa como Dialoguista em COLÉGIO DE BROTOS. Outros 6 Filmes estiveram sob responsabilidade de Chico em 1957, outros 4 em 1958, e outros 3 em 1959, tendo ainda participado somente como Ator em EU SOU O TAL, no mesmo ano. ( Lista Completa já Postada neste Blog ! ).

Em 1957, Chico já atuava na Televisão paralelamente ao trabalho no Rádio. Seu primeiro trabalho efetivo na TV foi no Programa AÍ VEM DONA ISAURA ( TV-RIO ), onde foi escalado por Haroldo Barbosa para fazer o Tio da Personagem. " Eu já tinha interpretado um Papel num Programa de Televisão do Carlos Machado chamado CÁSSIO MUNIZ FOLLIES, mas o Tio da D. ISAURA foi meu primeiro Trabalho EFETIVO na TV. " Nesse mesmo período, fez outros trabalhos na TV TUPI através de Maurício Sherman, entre eles o ESPETÁCULOS TONELUX.

Chico prosseguia no Rádio e trabalhava em emissoras de TV diferentes, já que naquele tempo ainda não existia o Contrato Exclusivo, o que possibilitou o Mestre escrever e atuar em diversos programas. O primeiro deles foi NOITE DE GALA, de Abrahão Medina, onde Chico escrevia vários quadros de Sucesso como MESA OVAL OU RACHA e PROFº LOURENÇO ( interpretado por Antônio Carlos Pires ) protagonizado juntamente com Sonia Lancellotti e João Loredo. No quesito Interpretação, Chico criou o famoso personagem CHARLIE WESTMINSTER, " THE THIRD " , um recruta do Exército, que misturava o inglês e o francês no vocabulário e que tinha um mordomo que executava todas as tarefas por ele. Em sua Autobiografia, Chico relembra : " A Mayrink já liderava nos horários dos programas ' montados ', como se denominava o programa com elenco e orquestra, mas a TV TUPI continuava comandando o Ibope na televisão. Para mim era quase indiferente este domínio, porque Eu era das Duas. Já trabalhava também no SUPER SHOW, um programa criado pelo Sherman para combater o NOITE DE GALA. Eu concorria comigo, mas não fazia mal. Importante eram as chances que eu tinha nas duas emissoras, o aprendizado, a Vitrine onde meu trabalho ia sendo exibido. "

ROMEU E JULIETA foi um dos primeiros Destaques de Chico Anysio já neste ramo. Nancy Wanderley estrelava o humorístico ao lado de Zé Trindade sob Script de Chico. " No ROMEU E JULIETA Eu lancei, com a direção de Wilton Franco, a ' externa ' nos programas de humor. Eram cenas sem diálogo, filmadas, e não com vídeoteipe, mas davam uma ' respirada ', saindo do entre quatro paredes. ROMEU E JULIETA era uma comediazinha de 25 minutos. Uma experiência que se fazia. Uma tentativa de sair do esquema ' quadro-quadro-quadro-quadro, uma busca por outro formato, já tentado pelo Max ( Nunes ) em CASA DE FAMÍLIA DE TODO O RESPEITO. Não funcionou nem em um nem outro. O público queria o ' quadro-quadro-quadro.. " contou em sua Autobiografia de 1992. Em 1958, Walter D'ávila brilhava na TV-RIO através do Personagem SEU OBTURADO, do programa Homônimo, de autoria de Chico. Em 1959, o sucesso FEIJÃO, ARROZ E ALEGRIA, pela TV TUPI, era Estrelado por Nancy Wanderley e Hamilton Ferreira, com textos de Chico.

Até que a Era Radiofônica, no Brasil, de um modo geral, foi chegando ao fim. " Isso me dava uma pequena dor por dentro, porque o rádio sempre foi para mim uma escola da maior importância. Foi no rádio que eu aprendi, que me criei. Não me trazia nenhuma felicidade esse nocaute que a televisão se preparava para impor ao rádio e muito me desagradou o rádio ter ' jogado a toalha ', entregando a luta. Ainda fiz ver aos diretores que o horário nobre apenas havia mudado.. (.. ) ..Sugeri a transferência da programação noturna para a manhã. Os programas ' montados ' passariam para de manhã, e á noite colocaríamos música, com disc-jóqueis. Eles preferiram abolir os programas montados, e usar disc-jóqueis na programação geral " , contou Chico em sua Autobiografia. Chico Anysio sugeriu que a TV-RIO tivesse sua programação baseada no que acontecia na Mayrink : voltada totalmente para o Humor, sugestão acatada por Walter Clark ( Diretor Comercial ) e Péricles do Amaral. Dessa forma a TV-RIO nasceu e começou a Saga Definitiva de Chico Anysio no meio Televisivo.

Chico sempre foi Defensor da Importância do RÁDIO. Em 1992, participou de uma Reportagem Especial da extinta Revista AMIGA -TV TUDO, sobre os 70 ANOS DO RÁDIO NO BRASIL. " Os Programas de Variedades no Rádio acabaram. A essência Hoje ( 1992 ) é o Jornalismo, a notícia imediata. E Eu Ouço rádio com muita Atenção. Sinto falta, entretanto, do Humor de Elenco nesse Veículo. Nas FM'S, por exemplo, tem algumas brincadeiras apenas. Até pouco tempo, Eu comandava A TURMA DA MARÉ MANSA, na Rádio Globo do Rio. Uma Delícia.. Revivi parte da minha época na Rádio Guanabara, onde comecei como Locutor e Radioator, em 1947. Para mim, ao contrário do que pensam certos atores, o RÁDIO é o Veículo mais difícil de se trabalhar. Somente depois vem o Teatro, a Televisão e o Cinema. Basta verificar que os grandes Nomes da TV vieram do RÁDIO. Por isso, não acredito que ele perderá sua Importância, futuramente. As Vantagens do Rádio são Insuperáveis como Amigo e Companheiro. A força da Comunicação é Imbatível ", declarou.

NOITES CARIOCAS foi a grande Sensação da TV-RIO, criado por Chico. " NOITES CARIOCAS ( inicialmente dividido em duas partes de uma hora cada ) tinha índices acima de 60 pontos e 80 % dos personagens conseguiam sucesso total. A Nata do humor brasileiro fazia parte do elenco da TV-RIO, porque além dos humoristas cariocas ( a maioria ) ainda contávamos com o que havia de melhor em São Paulo, como Maria Tereza, Murilo Amorim Correia, Renato Côrte Real e toda a PRAÇA DA ALEGRIA, comandada pelo talento, elegância e simpatia de Manoel de Nóbrega. A PRAÇA cobria as noites das Terças-feiras, fazendo explodir este fenômeno que é Ronald Golias e lançava no mundo do riso Moacyr Franco. Completavam a Terça-feira outros dois programas : MILHÕES DE NAPOLEÕES, escrito por mim para o elenco da casa - estrelado por Nancy Wanderley - e RIO, TE ADORO, versão carioca do SÃO PAULO, NUM TE GÜENTO, do Aloysio Silva Araújo.. (.. ) ..A competição era praticamente interna. Nós ' brigávamos ' conosco, já que a TV TUPI limitava-se aos dois programas escritos por este monstro sagrado do humor que é Max Nunes ( BOATE DO ALI BABÁ e EM CASA DE FAMÍLIA DE TODO O RESPEITO ).

MILHÕES DE NAPOLEÕES seria substituto temporário da PRAÇA DA ALEGRIA na TV-RIO durante a ausência de Manoel da Nóbrega, que naquele período ( 1960 ) estava de viagem para o exterior. A Ideia inicial de Chico era uma espécie de Comédia " Todo mundo é Louco em um Mundo de Loucuras e coisas Loucas. " Infelizmente não conquistou o Público e foi alvo de Críticas Midiáticas. Rapidamente Chico Reformulou o Humorístico, deixando de lado as Encenações divididas em Quadros/Blocos por ESQUETES RÁPIDAS em formato de FLASHES. Tão Rápidas, que enquanto ria-se da Cena Anterior, outra já estava quase terminando. Chico passou a Formular ( e algumas vezes Encenar ) esses FLASHES tendo como BASE as Manias e Costumes das Pessoas em geral. Aos poucos, o Programa foi alcançando o Sucesso Almejado. Nancy Wanderley e Jorge Loredo ( O Eterno Zé Bonitinho ), eram as Estrelas Principais. COMÉDIA PÃO E MANTEIGA, uma das maiores audiências da extinta TV PAULISTA. também era estrelado por Nancy.

Chico se revezava em trabalhos em várias emissoras, gravando programas que iam ao ar pela TV PAULISTA, pela TV-RIO ( Noites Cariocas ) e em Recife ( Noite de Black-Tie ), assim como também pela TV ITACOLOMY, emissora de Belo Horizonte, onde fazia BANCO DA PRAÇA, juntamente com Mara di Carlo, Jorge Loredo e Wilton Franco, e lá, contracenavam com o ator Mauro Gonçalves e Lady Francisco, ambos começando suas carreiras.

No Final da Década de 50, os Sucessos Humorísticos na TV só aumentavam. Chico Anysio, que foi idealizador, roteirista e algumas vezes ator nas CHANCHADAS produzidas pela Atlântida, trouxe o Diretor Carlos Manga, até então específico em Cinema, para trabalhar no ramo da televisão e ajudá-lo na criação/elaboração de um programa de apoio aos demais humorísticos da TV-RIO. Assim nasceu O RISO É O LIMITE. " Manga aceitou conversar sobre o assunto e foi a TV-RIO. Não dava para resistir aos argumentos do Walter e do Péricles e, naquela mesma tarde, ele assinou contrato com a TV-RIO para dirigir o programa dos Sábados, cujo título ficou sendo O RISO É LIMITE, numa brincadeira com o grande sucesso da televisão naquele ano : O CÉU É O LIMITE, feito em São Paulo pelo Aurélio Campos, e no Rio por Jota Silvestre.. (.. ) ..O RISO É O LIMITE tinha como redator principal Aloysio Silva Araújo e fizemos ali uma competição incrível. NOITES CARIOCAS e O RISO É O LIMITE jogavam semanalmente um Fla-Flu, um Grenal, um Cruzeiro e Atlético. Era briga de cachorro grande. Os índices oscilavam acima de 85 pontos. Lembro de uma semana em que um deu 91 pontos, o outro, 93. Sempre com vantagem para O RISO É O LIMITE. Meu NOITES CARIOCAS não venceu nenhuma vez, mas isso não me entristecia. Eu trouxera o Manga para a TV-RIO e participara da criação do RISO. Além do mais, sempre torci, como torço até hoje, pelo sucesso dos programas de humor. O humor é a minha praia. Cada programa que dá certo, está dando certo para mim também, representa mais empregos para toda a classe. "


Kerley Fernandes Salguero, ( fã, admiradora e idealizadora de conteúdo para projetos virtuais ) ( @salgkeke2 ).