90 Anos de Chico Anysio - A REALIDADE DE UM MITO ( Parte 7 ) 

29/03/2021

1979 foi O ANO DE SALOMÉ. Em Tempos de ABERTURA, se tornou a Personagem mais Popular e de maior Sucesso dentro de CHICO CITY com sua Satirização Política e seus " Telefonemas " ao Presidente João Baptista Figueiredo. Logo em seu Lançamento, foi CAPA da extinta revista MANCHETE, da editora Bloch, que trazia uma Reportagem Especial sobre os Novos Tipos de Chico Anysio em CHICO CITY. SALOMÉ se tornou um Sucesso tão estrondoso dentro da TV GLOBO, que, além de elevar a Audiência de CHICO CITY, teve Participação Especial em outras Produções da Casa, como a Novela FEIJÃO MARAVILHA, de Bráulio Pedroso e o Especial de Final de Ano do Rei Roberto Carlos, intitulado UM CIRCO CHAMADO BRASIL. Cogitou-se a possibilidade da TV GLOBO fazer um Programa EXCLUSIVO com SALOMÉ, devido ao tamanho do Sucesso e Popularidade, mas o Projeto acabou não acontecendo, e SALOMÉ permaneceu somente em CHICO CITY.

Em 21 de Dezembro de 1979, Chico Anysio foi Convidado a fazer Show no PALÁCIO DA ALVORADA. Assim deu-se o ENCONTRO de SALOMÉ e JOÃO BAPTISTA, um dos grandes FOCOS na MÍDIA ( O Encontro e Toda a Trajetória da Personagem já foram Retratados no BLOG MEMORIAL CHICO ANYSIO ! ).

O Ano de 1979 também marcou Chico Anysio no TEATRO, através da Peça : SOU, MAS QUEM NÃO É. Chico levou para os Palcos um Assunto até então TABU na época : HOMOSSEXUALIDADE. Escrita por encomenda para Nestor Montemar, abordava HOMOSSEXUALISMO e SOLIDÃO. " Há mais de quinze anos eu já esboçara a ideia dessa comédia. Quando Nestor me procurou, minha única preocupação foi encontrar tempo para escrever o Texto.. (.. ) .. Eu tinha pensado em escrever sobre a solidão de um homossexual desde o dia em que um amigo meu, comentando o nascimento do meu filho, observou : ' Daqui a pouco você vai estar com mais filhos e netos. E Eu ? Sei que vou morrer sozinho. ' Aquilo me tocou muito, particularmente ao lembrar do desabafo do meu amigo quando ele morreu. Como toda comédia, esta tem um fundo trágico. "A Peça se tornou uma Matéria Especial Publicada pela extinta Revista MANCHETE, que trouxe relatos de Chico e o AVANT-PREMIÉRE da Peça, com o Perfil de cada Personagem e Diálogos de Cada quadro/bloco da Peça, que, além de Montemar, tinha os atores Júlio Braga, Ivan Cândido e Milton Carneiro, sob direção de Paulo Afonso Grisolli.

O Final da década ainda trouxe O TELEFONE AMARELO, Décimo Livro de Chico Anysio. E a Cantora Alcione, um dos grandes Destaques Femininos do Samba nos Anos 70, gravou RIO ANTIGO ( COMO NOS VELHOS TEMPOS ), canção-desabafo do Mestre Chico ao lado de Nonato Buzar, que, até hoje, é um de seus mais NOTÓRIOS SUCESSOS. " RIO ANTIGO era para o Pery Ribeiro. Eu e Nonato Buzar fizemos pensando nele ! Nele e no Simonal. Depois aconteceu o problema do Simonal ( as perseguições políticas ). Disse ao Buzar : ' Se der para o Simonal, ninguém toca. Não dá pra dar a música pra ele ! ' .. ..Ele deu a música pra Alcione. Mas o Simonal gravou depois. "

O Início da Década de 80 não foi fácil para o Mestre. Chico Anysio se sentia Exaurido. Na realidade, Chico passou a Descontar no Trabalho as Tristezas e Frustrações da Vida Pessoal. A Cabeça Ocupada o tempo inteiro com seus Múltiplos Ofícios se tornaram uma espécie de FUGA dos problemas. Seu Casamento com a Atriz Alcione Mazzeo já não ia bem. Desse modo, Chico passou a Trabalhar além da Conta, Viajar mais do que o habitual para Apresentar seus Shows e Aumentou a Carga na Agenda de Compromissos diversos.

Quando a Separação do Casal veio de FATO, tanto Chico quanto Alcione sentiram na PELE as Especulações Midiáticas. A ICÔNICA Capa da PLAYBOY, de Janeiro de 1980, rendeu muitas Notícias e Entrevistas, a grande Maioria de forma Sensacionalista ou Deturpada. Alcione chegou a conceder uma entrevista a Ronaldo Bôscoli para a extinta Revista MANCHETE, em 1979, desabafando e tentando Esclarecer TANTOS BOATOS. Chico e Alcione permaneceram Amigos e Parceiros Profissionais, sempre Unidos em Ocasiões Especiais e cultivaram ao longo das Décadas a AMIZADE, a ADMIRAÇÃO e o RESPEITO Mútuos.

Foi em 1980, após a Separação, que a FAMA de " Conquistador " de Chico Anysio começou a ganhar Força. Chico Anysio não era nenhum Modelo de Beleza, não tinha grandes Vaidades, nem fazia o Tipo GALÃ. Mas foi o Homem que mais fez Sucesso com as Mulheres. Com 9 Casamentos, sendo apenas 6 de conhecimento público de forma Estabilizada e Legalizada e uma LISTA EXTENSA de ROMANCES, Chico não perdia em Nada para BONITÕES e CONQUISTADORES. O Estilo Comportamental de Chico era o Caminho para o Impressionismo Feminino. Ainda que não houvesse sempre a Pretensão ou Intencional de algo Romântico, Chico chamava a Atenção das Mulheres e Conquistava a ADMIRAÇÃO Delas ( Assunto já abordado por este Blog ! ). Nomes Famosos já estiveram na Lista de Romances de Chico Anysio, como a falecida Cantora Maysa e as Atrizes Maria Cláudia, Silvia Salgado, Sônia Braga e Débora Duarte. Boatos Midiáticos ao longo das Décadas ligaram o Nome de Chico a Nomes como Lady Francisco, Clara Nunes, Ângela Leal, Elisângela, Cláudia Raia e Kátia Maranhão ( Jornalista ). Namorou Beldades como a ex-modelo Josi Campos e a Atriz Aldine Müller, que fazia a D. FLOR na ESCOLINHA. Teve Casos diversos, como a Modelo Ivany Voight, cunhada do Humorista Juca Chaves, em 1980. Seu Sucesso com as Mulheres chegou a ser um dos Temas mencionados em um Famoso Livro do Diretor de TV Walter Clark, que indiscretamente explorou inclusive o Aspecto " Fenomenal " das " Performances " de Chico na Intimidade.

Chico não sabia explicar esse FASCÍNIO todo : " É tudo muito Intuitivo. Talvez exista curiosidade por parte das Mulheres, não sei. Afinal não sou Bonito, não sou Alto, não faço surfe, nem Vôo.. ( .. ) .. " Não sei, acho que talvez queiram tomar conta de mim, eu talvez transmita essa sensação, a de que preciso que tomem conta de mim, de que sou meio carente. O Homem não conquista ninguém, a Mulher é que Conquista ", declarou em 1978 á extinta Revista Masculina ELE ELA ( Entrevista NA ÍNTEGRA já Postada neste Blog ! ) " Sempre fui atrás da Presa. Sempre ! Nunca fui de dizer gracinha para mulher, dizer piada para mulher na rua, isso nunca. Nunca levei um Fora porque nunca dei um toque, a coisa sempre aconteceu de repente. Só poderia responder a esta pergunta se fosse um Conquistador.. (.. ) .. " Não, não sou o Conquistado, sou o Conquistante. " Não tinha Segredos a revelar sobre o tratamento com as Mulheres e era Objetivo : " Não há uma Supereficiência minha ou do Jô Soares para Conquistar as Mulheres. Há uma Deficiência no mercado. É que os homens pararam de abrir a porta do carro, de puxar a cadeira, de acender o cigarro para elas " , contou em entrevista á Revista PLAYBOY, em 1987 ( Entrevista também já Postada NA ÍNTEGRA por este Blog ! ).

Falando em Entrevista, uma das mais Marcantes de Chico Anysio em 1980 foi para a Edição 523 da extinta AMIGA -TV TUDO, da editora Bloch, Edição Comemorativa de 10 ANOS da Revista. Em entrevista á Repórter Lucy Léa, Chico falou sobre sua Origem nordestina, seus Programas de TV e Personagens, seu processo de Criação e sobre sua Visão em relação aos rumos do Humorismo no Brasil naquela época ( Conteúdo Completo também já Postado neste Blog ! ). Nela, defendeu que o HUMOR era a ARTE do ÓBIVO : " Humor é a Arte do Óbvio. Não se trata do lugar que se mostra Cultura, Sapiência ou nada que não seja do entendimento de quem vai ler, ver ou ouvir. Você só acha graça de uma coisa que entenda, certo ? Então o humorista tem que fazer o óbvio dentro da sua Dignidade, do seu Respeito, do seu Talento e da sua Personalidade. Fazer rir é a segunda ou terceira obrigação do humor, sabia ? O Humor é Irmão da Poesia e Adversário da Gozação do engraçadinho. Mas as pessoas confundem muito Gaiatice com Humor. O humorismo tem que, inclusive, fazer rir, mas não tem que principalmente fazer rir.. "

Chico tinha Várias Visões sobre o Humorismo, todas Elas Reflexivas e de grande VALIA :

" Humorismo não se inventa : Ele é a Simplicidade, o Retrato da cidade, o Comentário das coisas do dia a dia.. Só há Duas Maneiras de provocar Risada : causando Surpresa no espectador, pegando-o desprevenido, chamando sua atenção para situações que ele, normalmente, não perceberia. Ou Retratando com Fidelidade os detalhes de uma determinada situação, de maneira que o espectador possa comentar, após ouvir a piada, ' é isso mesmo que acontece ' ".

" O Problema do Humorista é o mesmo do Poeta : não dá para parar de pensar. Pensa-se, acreditem, até dormindo. Não há humorista ou poeta que não tenha acordado para fazer a anotação de uma ideia que desenvolverá amanhã ao acordar.. (.. ) ..Agora mesmo eu estou bolando alguma coisa. O sujeito que leva a sério a profissão, não se separa dela nunca.. (.. ) ..O negócio é Mecânico, é a minha Profissão. Se tenho um programa na Quinta-feira, acordo ás nove e meia da Sexta-feira anterior, sento, boto o papel na máquina e começo a escrever.. "

" A Necessidade é que Determina tudo. No começo, procurava Inspiração em notícias de jornal, em conversas que ouvia, ampliava piadas para fazer um SKETCH. Mas depois não há mais tempo nem necessidade de se trabalhar assim.. "

" Não existe Humor Velho, nem Humor Novo, existe Humor Sem graça e o Engraçado ".

' Em meu Trabalho, ponho aquilo que me faz Rir, e assim tenho certeza que os Outros também vão Rir. Por isso, acho que a Tristeza, a Melancolia e a Seriedade são qualidades necessárias a um Humorista. O Cara que é muito Alegre e Extrovertido não é Humorista, vai ser Gaiato ! Todos os Humoristas que conheço são pessoas bem diferentes na Vida Real. Eles dizem coisas Espirituosas e Engraçadas, mas raramente dão Gargalhadas. E nem é dever deles dar Gargalhadas, e sim fazer com que dêem. Ou melhor ainda, fazer com que Pensem. "

" O Som mais bonito que existe é o da Risada. Não existe nada melhor do que fazer uma pessoa Feliz. Quando alguém que está com problemas vai me ver no teatro e sai rindo, eu fico satisfeito, sinto-me até como uma espécie de médico.. ( .. ) ..Acho meu trabalho reconfortante, porque a Única coisa que procuro é o bem-estar das pessoas, é fazer com que o público Ria. "

" Houve épocas em que fui o Primeiro e outras em que fui o Oitavo. Ótimo, nas Duas Ocasiões ! O Importante é que, quando não houver Espaço nem no Quinto lugar do Pódio, Mantenhamos a Dignidade fora Dele. "

" Não se faz um Humorista em menos de Dez anos. Hoje em dia com o Progresso, com as coisinhas que pintam, você pode fazer um em Cinco anos. Então, se até 1985 não aparecer pelo menos uns 30 humoristas, em 1992 não tem mais ninguém fazendo Graça neste país.."

Chico Anysio sempre carregou essa Preocupação ao longo das décadas, O FUTURO DO HUMOR no Brasil. Sua Pergunta recorrente sempre era : " De quem meus Netos vão Rir ? "

Chegou a desabafar em vários Veículos de Imprensa : " O Humor não está por baixo, mas vai ficar se não aparecer gente nova" .. (.. ) ..O último Humorista que apareceu foi o Arnaud Rodrigues, há quatorze anos, não que isso seja um problema decorrente do fato de o Mundo andar tão Conturbado. A situação do Mundo Atual está até muito fácil de fazer Rir. O problema é que a Nova Geração não se ligou no Humorismo. Ela se ligou no SOM, E o Som de uma Gargalhada é muito mais Compensador. "

Para além da Preocupação com os Rumos do Humor no País, era um grande DEFENSOR de seus Colegas de Profissão :

" Os Comediantes Inteligentes não dividem, Somam. Sempre torci a favor de todos os Programas de Humor. Dar certo para um, pode significar dar certo para todos, ou, quando pouco, para muitos.. (.. ) ..A competição deve haver, mas não pode deixar de ser branca. Mais importante do que muitos me Preferirem é Ninguém me Detestar. Cabemos todos no mesmo Barco, portanto, é lógico que não nos empurremos para a Água. "

" Confesso que sempre Adorei uma Briga. Cada vez que brigo ponho pra fora o Advogado que não fui e queria Ser. Mas cheguei à conclusão de que não se resolve nada brigando, embora seja o meu Divertimento Preferido. Sempre Briguei pelos Humoristas. "

Em 1980, exacerbado do Trabalho em CHICO CITY, resolveu ENCERRAR o Programa. " Há dezenove anos eu fazia aquele tipo de trabalho. Pinta a Cara, Muda a Roupa, Inventa a Voz, Arruma Trejeito. Tudo começava a Pesar. Já não era com o mesmo prazer que Eu ia para as gravações.. (.. ) ..O Programa Parou. No Ano seguinte ( 1981 ) eu veria o que fazer, porque fora da Televisão não dava para ficar Mesmo ", contou Chico em sua Autobiografia de 1992.

E foi em 1981 que José Bonifácio de Oliveira Sobrinho, o Boni, resolveu presentear Chico Anysio com uma Decisão : após doze anos trabalhando na emissora, Chico teria um Programa MENSAL. Assim nasceu CHICO TOTAL, meticulosamente planejado, mas sem o Sucesso esperado. " Era a primeira vez que me surgia esta oportunidade. Aceitei e criamos ( o Zelito, meu irmão, o Eduardo Sidney e Eu ) o CHICO TOTAL. Seria um Programa inteiramente livre, onde eu faria, a cada mês, o Roteiro que quisesse, sem tema, sem nada predeterminado, e, principalmente, sem quadros fixos ou bordões." Com CHICO TOTAL, Chico Anysio se deparou com uma série de Descobertas.

- Qual será o Primeiro ?

" Nesta Pergunta comecei a perceber a Cilada que é o Programa Mensal. Inicialmente fazer um Programa por Mês dá mais trabalho do que fazer um por semana, além de ser um programa com quatro vezes maior responsabilidade que o semanal. Outro detalhe Contra : o Público não sabe que o programa mensal é gravado em três dias, como o semanal, e pensa que se teve um Mês inteiro para fazê-lo. Isto lhe dá o Direito de exigir muito mais do Programa. Tudo Ilusório. Trabalha-se demais, tem-se um tempo muito pequeno para a gravação e a cobrança é enorme.. (.. ) O Programa Mensal esfregou na minha Cara uma Certeza que Eu já tinha : a Televisão é mesmo uma grande Vitrine. Ela é quem faz os cinemas e os teatros lotarem."

Apesar da pouca Repercussão, CHICO TOTAL foi o Programa que destacou DOIS MOMENTOS Importantes que se tornaram INESQUECÍVEIS : a Exibição HISTÓRICA de Chico Anysio se apresentando no Carnegie Hall, em Nova Iorque e o ENCONTRO de Jô Soares e Chico em CORONEL PANTOJA E CORONEL BEZERRA. O Quadro dos Coronéis que, durante os Diálogos se fingiam de Amigos, mas que se Odiavam secretamente fez tanto Sucesso, que era Apresentado semanalmente tanto em VIVA O GORDO como no Programa de Chico.

.." Com a Passagem do meu programa para Mensal, 1981 foi um ano ruim para Mim no Teatro. Nenhum Espetáculo naquele ano teve casa lotada. Houve dias em que foi preferível cancelar a apresentação, de tão pequena a plateia.. "

Apesar dessa Afirmativa, naquele mesmo Ano atingiu a Marca de 100 Apresentações no GOLDEN ROOM do Copacabana Palace com o Show CHICO ANÍSIO. CHICO ANÍSIO nada mais era do que o Espetáculo CHICO SET, que havia sucedido o Espetáculo CHICO TOTAL, já Reformulado e Modificado.

" Eu queria fazer com o Daniel ( Filho ), um show representado. Mário Monteiro fez o cenário, que era um Set de televisão. Um enorme baú aberto, com roupas, que eu trocaria, refletores, uma escada, um cenário bonito, onde havia uma poltrona, um espelho de sala de maquiagem, tudo imitando um set de televisão. O Daniel fez uma direção maravilhosa, mas não pôde me acompanhar na estreia na Bahia. Estreei numa quarta-feira no TEATRO CASTRO ALVES, com casa lotada. O espetáculo não rendeu o esperado.. (.. ) Telefonei para o Daniel depois do show, como havíamos combinado.. (.. ) .. " Contei o quanto tinham rido, o quanto tinham gostado, o que funcionara melhor ou pior e que no todo a coisa não tinha ido bem. Daniel e eu falamos mais de quarenta minutos. Ele tinha o show todo na cabeça e fez várias sugestões : - Muda isso, tira aquilo, chega o praticável mais para frente, muda esta luz, modifica aquela.. (.. ) .. Anotei todas as suas recomendações, fui para a máquina de escrever e trabalhei até sete da manhã nas modificações sugeridas. Fizemos um ensaio com as mudanças á tarde e na quinta-feira á noite, com a casa lotada, apresentei novamente o espetáculo. Depois liguei mais uma vez para o Daniel :

- E aí, Tudo bem ?

- Tudo mal. Não funcionou.

- Mas tem que funcionar. É engraçado, pô !

Após a primeira e a segunda apresentações fracassadas vieram outras duas, ambas também sem sucesso, sempre com modificações sugeridas por Daniel e Roteiro REESCRITO por Chico. " Estava exausto. No meio do ensaio me deu uma vontade enorme de parar tudo, de acabar com aquilo, de voltar para casa e nunca mais pisar num palco. Fiquei quinze minutos conversando comigo, ao mesmo tempo em que a vontade real era sair de perto de mim. A casa estava toda vendida para a noite. Sentado numa poltrona do teatro vazio, eu olhava o palco onde estava montado aquele cenário lindo de um show que não funcionava. Foi crescendo em mim uma coisa que até hoje não consigo definir. Não era raiva, não era medo, não era preguiça, não era cansaço. Talvez fosse uma combinação dessas quatro coisas. Aí, levantei, fui ao palco e dei uma ordem :

- Tira Tudo. Arranca esse cenário, some com ele, deixa só a rotunda e traz o meu banquinho. Em vez de representar, vou CONTAR o show pra eles.

" Enquanto faziam a remoção do cenário e reafinavam a luz, disse o show mentalmente, mudando o que era REPRESENTADO para NARRADO. Dava para adaptar tudo. Á noite, a casa cheia, CONTEI o show. O Sucesso foi absoluto. " Mas o show ( nesse novo esquema que deu certo ) não estava dirigido. Fiz Salvador, Recife, e Fortaleza e voltei para o Rio para me apresentar no GOLDEN ROOM. Convidei o Jô para dirigir. Inicialmente o Jô aceitou. Depois me ligou dizendo que não podia, por estar com um problema de saúde. Teimei e Insisti. O grilo do Jô foi superado e ele me dirigiu com o maior empenho e brilho.. "


Kerley Fernandes Salguero, ( fã, admiradora e idealizadora de conteúdo para projetos virtuais ) ( @salgkeke2 ).