90 Anos de Chico Anysio - A REALIDADE DE UM MITO ( Parte 8 )

30/03/2021

CHICO SET precisou ser Modificado para Conquistar o Público. Mas não foi a Única Frustração Teatral de Chico Anysio. Em 1967, passou por Embaraços ao Encenar O BELO E AS FERAS. Quando foi fazer a Peça Teatral, Chico também passou por momentos caóticos, mas, naquela ocasião, não teve salvação : " Eu e Seis mulheres. O Walter Avancini dirigiu. Ficou muito bom, o Avancini é um Diretor excepcional. Tudo o que ele faz, faz bem-feito. Exigente demais, mas o resultado é altamente compensador. Eu saí com o Espetáculo para uma excursão pelo nordeste. Lotamos todas as casas, mas não havia noite sem uma briga no elenco, sem uma reclamação, sem uma aporrinhação. Na volta ao Rio mudei o Elenco inteiro para o Sul, mantendo apenas a Zélia Hoffmann, que fazia o papel de Maria Tereza e era insubstituível, além de ser a única a não dar o menor trabalho. Avancini reensaiou o Novo Elenco e parti para o Sul. Parecia que nada tinha mudado. As mesmas reclamações, querelas, bate-bocas.

- Por que fulana tem mais falas que eu ?

- Não sei. Aconteceu.

- Eu tenho que ter mais falas que ela, porque sou melhor.

- Não estamos aqui medindo quem é melhor ou pior.

- Mas eu sou melhor, tenho que falar mais .

- Vou providenciar.

E arranjava uma fala a mais para a que havia reclamado.

- Por que fulana está falando mais ?

- Não sei. Achei bom acrescentar aquela fala.

- Mas assim ela está falando mais do que eu !

Era um pé. Ninguém queria entrar em cena primeiro, todas queriam ser apresentadas por último, ninguém queria dividir camarim com ninguém. Em Porto Alegre, no TEATRO LEOPOLDINA, o pote encheu :

- Obrigado, foi ótimo ter trabalhado com vocês, muito agradecido, vocês são lindas, eu fico gratíssimo, tudo bem, mas Adeus ! O espetáculo acabou hoje. Aqui estão as passagens de volta. O avião sai amanhã ás sete e meia.

" Mandei mudar o letreiro, fiz um comercial para a televisão e, na noite seguinte, já estava fazendo novamente o meu show sozinho, onde ninguém reclamava se eu falava mais ou menos ou se entrava naquela hora ou se a luz apagava depois da minha fala. "

No que se refere a TEATRO propriamente Dito, como AUTOR, PRODUTOR e DIRETOR, Chico se DESTACOU Várias Vezes. Além das já Citadas AS LIBÉLULAS DESLUMBRADAS, de 1970 e SOU, MAS QUEM NÃO É, de 1979, foi responsável por FILHA DA.. , peça escrita por Ele e que tinha Alcione Mazzeo como Protagonista. Recém-separados ( foram Casados de 1975 a 1979 ), continuaram a Amizade e a Parceria Profissional. " Quero que todos saibam que esta Peça não foi escrita para mim.. (.. ).. quando Chico começou escrever FILHA DA.., ainda estávamos casados e eu fiquei conhecendo o Texto. Sua ideia inicial era dar o papel para a Elisângela, que, por compromissos Profissionais, não pôde aceitar o Convite. Como a produção me convidou, aceitei representar a Leontina, filha da atriz Yolanda Cardoso, que na Peça, é uma ex-prostituta ( daí o nome da peça ), vivendo há vinte anos com um Malandro inveterado ( representado por Lutero Luís ) ", contou Alcione em matéria da extinta Revista AMIGA, da editora Bloch. Na mesma Reportagem, Chico Declarou : " Minha Intenção ao escrever a Peça foi apenas Homenagear a Prostituta. Não Visava nenhuma mulher em Especial. " A Peça ficou em Cartaz no TEATRO VANUCCI ( RJ ) e Ganhou uma RELEITURA com Elenco Modificado durante o início dos Anos 90.

Em 1992, foi o Autor de SALAMÊ MINGÜE, Peça Teatral a qual dedicou á Maria Clara Machado ( famosa Autora de Peças Infantis e Fundadora do Teatro Tablado - RJ ). Duda Little ( famosa no programa OS TRAPALHÕES ), á época com 13 anos, era a Protagonista e fazia o Papel de uma menina que se envolve com meninos de rua e decide abandonar a família. Chico Anysio havia escrito a Peça 17 anos antes e somente em 1992 entrou em cartaz no TEATRO CLARA NUNES ( SP ). Com a Peça, Chico tinha o objetivo de atingir os Pais para que Prestassem Atenção e Amassem mais seus Filhos.

Em 1995, Chico foi Diretor de uma das Peças Teatrais de maior Sucesso da Comediante Fafy Siqueira, FAFY SE QUEIRA, OU NÃO QUEIRA, peça Escrita por Ele próprio, e que chegou a ter Outra Versão com o mesmo Nome. Anos mais tarde, voltou a dirigi-la no teatro com o Show de Stand-Up DÓ-RÉ-MI-FAFY. Ainda em 1995, dirigiu o filho Nizo Neto e outros atores na Peça TV SÁTIRA.

A Grande Emoção de Chico Ansyio foi a Apresentação Histórica no CARNEGIE HALL, em 1981.

"Meu filho Lug estudava em Nova York, na Long Island University, e isso me fazia ir muito aos Estados Unidos. Em 81, por exemplo, fui quatro vezes à América para visitá-lo. Numa dessas visitas um amigo meu, Shia, que hoje mora em Miami, acenou-me com a possibilidade de fazer um show para brasileiros no Carnegie Hall.

- Será que isso dá certo, Shia?

- São mais de duzentos mil brasileiros que moram entre Nova York e Nova Jersey. Vamos lotar a casa.

Achei tentador e concordei. Ele começou a trabalhar. Conseguiu uma vaga na pauta do Carnegie Hall para Setembro. Conversei com o Boni e ele sugeriu que o CHICO TOTAL de Setembro fosse a apresentação do Carnegie Hall. Concordei. Eu economizava uma ideia e ganhava mais dias para ficar por lá, pela desnecessidade daqueles sete dias de gravação aqui. "

" Como o show seria gravado para ir ao ar no Brasil, tive que fazer dois em vez de um. Naquele ano (81) o palavrão já estava liberado no teatro. A censura fechara tanto a parte política que, para compensar, abriu o direito ao palavrão. Já havia muitos no meu show. Não poderia ser exibido pela TV. "

" Decorei novamente um show antigo (sem palavrão nenhum) e o ensaiei, com a parte musical gravada. Foi como se o meu show tivesse duas partes: a primeira, o show antigo, e a segunda, o show atual. Na primeira parte (gravada para a TV), entrei em cena de smoking. Na segunda parte (apenas para a plateia), entrei de jeans, jaqueta, informal. "

" A Globo ajudou muito no show do Carnegie Hall. Foi ela quem pagou o cenário (todo espelhado) e as passagens. Meus técnicos não puderam ir. O consulado americano negou-lhes o Visa e resolvi o problema levando o Nizo, meu filho. Lug operou o gravador e Nizo (que conhecia de cor o espetáculo atual) ficou ao lado do técnico americano dando as ordens de go e stop para cada mudança de luz. Aquela organização exagerada dos americanos me irrita um pouco. Talvez seja o hábito da nossa esculhambação. O fato é que acho um pouco demais o excesso de "não pode" dos americanos. A firma de vídeoteipe que a Globo contratou para a gravação do show chegou à porta do Carnegie Hall às 7:45h e ficou esperando. O aluguel da casa começava às oito. Às oito em ponto a porta se abriu. Os técnicos da gravadora entregaram os fios aos homens do Carnegie Hall e eles os levaram, junto com o equipamento, para o teatro. Ninguém da gravadora podia entrar no teatro, com exceção dos cameramen. Ficaram todos dentro do caminhão, na rua, junto com o Zelito, o Eduardo Sidney e o Walter Lacet, que a Globo mandara para cortar. Só que o Lacet não podia tocar nas teclas do equipamento; isso teria que ser feito por um americano. Lacet, como o Nizo, ficou com seu serviço restrito ao one, two e three, dependendo da câmera que ele quisesse colocar no ar. "

" Apesar desta organização toda, a gravação ficou ótima, os dois espetáculos saíram maravilhosos e achei muito engraçado o câmera americano que morria de rir sem entender coisa alguma ".

Ainda em 1981, comemorando 30 ANOS DE CARREIRA ( Chico começou artisticamente em 1948, mas, Efetivamente, em 1951 ), lançou o LP 30 ANOS DE CHICO ANYSIO pela ATLANTIC/WEA, produzido por Arnaud Rodrigues e com Textos do próprio Arnaud, Chico Anysio e Marcos César. Um dos Destaques do LP foi a versão de Chico para a Canção LA VALSE Á MILLE TEMPS, de Jacques Brel, que se tornou a Inesquecível Sátira A VACA, de conteúdo Crítico/Político em pleno período Inflacionário.

Kerley Fernandes Salguero, ( fã, admiradora e idealizadora de conteúdo para projetos virtuais ) ( @salgkeke2 ).