Chico Anysio e Elizabeth - Bate-Papo

03/05/2019

Em 1969, a extinta revista ROMÂNTICA, da editora Vecchi, promoveu um encontro entre Chico Anysio e a cantora Elizabeth ( que fez enorme sucesso na reta final do movimento musical JOVEM GUARDA com a música SOU LOUCA POR VOCÊ ). Elizabeth foi convidada a assistir o espetáculo CHICO ANÍSIO.. SÓ, e após o show, no camarim, bateu um papo com Chico, cujos principais trechos foram publicados pela revista, e que você leitor ( a ) deste Blog vai poder Conhecer agora ou Relembrar..


- Elizabeth, é a primeira vez mesmo que você vem ao teatro ?

- Por incrível que pareça, é verdade.. Quase nunca saio de casa.. Na minha vida inteira só estudei, e quando consegui ser artista não tive mais tempo pra nada.. 

- Então espero que, a partir de agora, você entenda a importância que o teatro representa para o artista. Eu já fiz televisão, durante muitos anos, mas só no teatro consegui criar livremente tudo o que sempre imaginei.

- Chico, estou impressionada com este mundo que eu desconhecia, e tenho certeza, que daqui pra frente, não vou mais ficar por fora..

- E o que mais lhe chamou a atenção, Elizabeth? 

- Ah.. sem dúvida a sua versatilidade e desinibição. Para mim, que sou toda contraída, e estou acostumada a cantar com violão, nunca me imaginaria fazendo tanta coisa. Mas estou notando uma coisa em você, Chico.. Fora do palco você me parece sério..

- Mas isto é questão de temperamento.. Sempre fui assim.. e também fui tímido.. Acontece que isso me prejudicava e superei todos os meus medos, para poder me comunicar. Mas até que eu não sou muito sério, não.. Olha, medo é covardia.. e a gente precisa aprender a combatê-lo. E a melhor maneira é a gente realizar tudo o que quer.

- Eu sei, Chico. Luto muito pela minha carreira e minha grande alegria foi ter conseguido me afirmar por mim mesma. Por isso não me conformo como você, sozinho, consegue escrever, representar, criar personagens, compor músicas e cantar.. Você não existe !

- Não há nenhum mistério, Elizabeth. O tempo e a experiência me ensinaram a planejar as coisas. Tudo o que faço é resultado de muita pesquisa e da observação constante do ser humano.. Estou.. só no palco, mas na minha vida particular, me sinto perto do mundo, por isso, tenho inspiração constantemente.

- Eu, fora da televisão, sou completamente diferente de você. Adoro ficar em casa, onde encontro a maior paz do mundo. Só assim consigo compor. 

- Elizabeth, como você define sua música ?

- Tudo depende do meu estado de espírito, que é também o da maioria dos jovens. Falo o que todos querem ouvir, e o tema fundamental é o amor.. 

- Já sei, você é muito sonhadora.. 

- Sabe, Chico, faço de tudo para não ser, mas não consigo me controlar. E o meu maior sonho é casar um dia e ter muitos filhos..


- Chico, é muito difícil fazer os outros rirem ? 

- Não sei explicar. A gente tem que sentir o que poderá se identificar com o público e tentar.. por exemplo, o Qüem-Qüem é bem patético, e todo mundo acha graça dele, quando deveria sentir pena.. O ser humano ri de si mesmo..

- Olha, Chico, eu nunca poderia fazer alguém rir. Sou um pouco triste e acho que só quando me casar é que vou me sentir realizada como mulher. Como artista, pretendo aprender cada vez mais e ampliar meus conhecimentos. Esse bate-papo me fez muito bem. Não vou esquecer nunca mais.



Reportagem Original de Elda Priami para a Revista Romântica, Edição 102, no ano de 1969.

Kerley Fernandes Salguero, ( fã, admiradora, pesquisadora e idealizadora de conteúdo para projetos virtuais )