Chico Anysio e o Cinema

15/11/2019

Consagrado no Ramo TELEVISIVO, Chico Anysio se aventurou poucas vezes fazendo Filmes, mas deixou sua MARCA também no Ramo CINEMATOGRÁFICO. 

Chico foi um dos Precursores dos tempos da CHANCHADA, tendo feito Roteiro, Argumento ou Diálogo de 21 filmes e de ter participado de outros 3 ( Vejam ou Revejam o Post CHICO ANYSIO E AS CHANCHADAS >>  >>https://memorial-chico-anysio4.webnode.com/l/chico-anysio-e-as-chanchadas/ )

EM 1971, fez O DOCE ESPORTE DO SEXO*, O ÚNICO FILME PROTAGONIZADO POR ELE. Idealizado por seu irmão  Zelito Viana, teve Roteiro do próprio Chico e de diversos autores. 

Chico não gostou da experiência no Filme e, intimamente, tinha suas próprias visões a Respeito do Cinema Nacional. Em sua Autobiografia de 1992, explicou os motivos de não trabalhar em filmes e não gostar do Cinema feito no Brasil : 

" O Cinema brasileiro não existe. Não vai existir nunca, porque o cinema é uma arte muito cara para poder existir em um país de Terceiro Mundo. Cinema só se faz com Moeda Forte. Faz-se cinema em dólar, libra.. Eu já disse isso. Eu já fiz mais do que dizer isso : eu já recusei fazer um filme com a Milene Demongeot. Seria chamado FÉRIAS EM CABO FRIO. Não quis fazer. E era produção franco-brasileira. Participei de cinco ou seis Chanchadas, em pequeníssimos papéis, e sempre me arrependi.

Um dia o Cacá Diegues - um dos seis ou sete bem-sucedidos diretores de cinema do Brasil - convidou-me para filmar QUINCAS BERRO D'ÁGUA. Foi tentador. Um filme assim eu gostaria de fazer. Combinamos para Setembro. Em Abril o produtor dele morreu e nunca mais se tocou no assunto. Eu teria feito! O Cacá fez coisas maravilhosas no Cinema Brasileiro. Quero deixar claro que quando um filme brasileiro é  MARAVILHOSO A NÍVEL DE BRASIL ele não passa de ACEITÁVEL, A NÍVEL INTERNACIONAL. Tudo é lento, os atores não são atores, o iluminador ilumina mal. A culpa não é dos homens que fazem o filme, mas do dinheiro com que contam. A GRANDE ARTE custou oito milhões de dólares. VILLA-LOBOS, do Zelito, está orçado em três milhões de dólares e o lucro tem que ser tirado da produção. Explico : Orça-se o filme pelo alto, e ele é feito por setenta por cento do orçado. Os trinta por cento são o lucro, porque o dinheiro da bilheteria é roubado. Competência para fazer bons filmes, os diretores brasileiros têm. Mas sem dinheiro não há competência que resista. Os sucessos fora do Brasil foram tão poucos que não podem ser levados em conta : É dificílimo fazer um filme brasileiro ser aceito fora daqui..

..( .. ).. A Televisão fez com que os cinemas fossem divididos em Dois. Fizeram três cinemas do CINE ROXY, em Copacabana. Nenhuma das três salas vai encher nunca. Vi filmes no CINEMA LEBLON ( Cinema Paradiso ) com quatro pessoas na Sala. Como é que com esta estúpida ausência de platéia alguém pode ter Lucro fazendo um filme orçado em três milhões de dólares? Diminui-se o Orçamento, empobrece-se a produção, piora-se o resultado e, consequentemente, aumenta-se o prejuízo. 

Com dinheiro, Tudo Muda ! Hector Babenco ( que não conheço, mas considero brasileiro ), encantou Jack Nicholson, quando o dirigiu, na América, num filme que custou mais de dez milhões de dólares. Com esse dinheiro, no Brasil, Babenco teria que fazer dez filmes, no mínimo. Lamento tudo isto, porque o cinema é a Única Arte que FICA. O Cinema é ETERNO, enquanto a Televisão é Perecível e o Teatro é o Instante. Mas enquanto não pudermos fazer Cinema, não conseguiremos fazer. E só conseguiremos quando o Nosso Dinheiro Valer. Não acredito num filme que é realizado por meio de quebrações de galho, arremedos, jeitinhos, essas coisinhas brasileiras. Os Produtores praticamente mendigam o dinheiro da produção. Os atores ganham misérias, o conforto é nenhum,  a garantia de exibição não existe, a ajuda do governo nunca apareceu, o apoio popular acabou com o fim das Chanchadas.. " 

Logicamente, que muita coisa MUDOU em Relação ao Cinema Nacional de 1992 em diante, tanto no que diz Respeito a INVESTIMENTOS como o RECONHECIMENTO INTERNACIONAL. Assim como as Visões de Chico podem ter Mudado um Pouco com o passar dos Anos.

Foi em 1996, através de um convite de Cacá Diegues para filmar TIETA DO AGRESTE*, que Chico Anysio passou a se tornar Figura Marcante no meio Cinematográfico. O Papel de Zé Esteves, pai da Protagonista, Surpreendeu o Público, até então acostumado com a Vertente Cômica que acompanhou Chico a Vida Toda.

Com Cláudia Abreu e Marília Pêra durante as Filmagens de TIETA DO AGRESTE. Na época, Chico declarou que o Trabalho foi facílimo e explicou que fazer Drama era muito mais Fácil do que fazer Humor.

 

Em 2009, deixado em Segundo plano pela Televisão, resolveu Investir em todas as Propostas de Trabalho no Cinema. Naquele ano esteve no Curta-Metragem O AUTO DA CAMISINHA, ( uma produção educativa que destacava de maneira criativa a importância da Prevenção contra o HIV ) e participou do Documentário SIMONAL - NINGUÉM SABE O DURO QUE DEI, sobre o cantor Wilson Simonal, onde Chico relatou sobre o Artista e os trabalhos que fizeram juntos durante o final dos anos 60, quando eram Contratados da TV RECORD. Ainda esteve na Comédia SE EU FOSSE VOCÊ 2, de Daniel Filho, a sequencia do Filme Homônimo, Sucesso de Bilheteria, e trabalhou como DUBLADOR em UP- ALTAS AVENTURAS, uma Animação de Bob Peterson e Pete Docter. Chico Dublou o Protagonista Carl Fredricksen.

Depoimento quando foi Dublador do protagonista de UP- ALTAS AVENTURAS.

Em 2010, foi o Monsenhor Aristides ( Padre Velho ) em UMA PROFESSORA MUITO MALUQUINHA, de Ziraldo, com Direção de André Alves Pinto e César Rodrigues. 

Trecho de Chico no Making Off  do Filme UMA PROFESSORA MUITO MALUQUINHA.

Em 2011 esteve em OS SONHOS DE UM SONHADOR- A HISTÓRIA DE FRANK AGUIAR. Também foi um dos entrevistados do Documentário RÁDIO NACIONAL, de Paulo Roscio. E, ainda em 2011, encenou A HORA E A VEZ DE AUGUSTO MATRAGA, de Vinicius Coimbra. O Longa foi uma RELEITURA do Filme Homônimo de 1965, de Roberto Santos, que havia sido baseado no Conto de Guimarães Rosa, extraído do livro SAGARANA. A Presença de Chico Anysio ficou MARCADA por diversos motivos : A Brilhante Interpretação de um Personagem Cruel, a Entrega nas filmagens, apesar dos problemas de saúde na Vida Real, a última aparição de Chico no Cinema e os PRÊMIOS pelo Trabalho. Chico foi Homenageado e Vencedor do TROFÉU de MELHOR ATOR COADJUVANTE, no FESTIVAL DO RIO por sua Atuação no Filme. Em 2015, três anos após seu falecimento, Chico ganhou o TROFÉU APCA na mesma Categoria. 

Major Consilva, em A HORA E A VEZ DE AUGUSTO MATRAGA, foi seu Último Trabalho Cinematográfico e sua Consagração Definitiva como ATOR.

Extras : 

- Antes de Protagonizar O DOCE ESPORTE DO SEXO, em 1971, haviam planos de Dois Filmes com Chico Anysio, que seriam rodados entre 1967 e 1969. O HOMEM QUE COMPROU O MUNDO e KIKO, cujo o Protagonista de Chico seria um rapaz vítima de Chacota dos demais Personagens, e cuja história, de autoria de seu irmão Zelito Viana, seria dirigida por Daniel Filho. Nenhuma das Duas Produções, porém, chegaram a Acontecer.

- Em 1981, Chico Anysio foi o Narrador do Filme O MUNDO MÁGICO DOS TRAPALHÕES, que trazia a história do Grupo Humorístico de Sucesso da Televisão, liderado por Renato Aragão. 

- Em 1987, apareceu em uma das Cenas de TANGA - DEU NO THE NEW YORK TIMES, do Diretor Henfil e Produção de Denis Carvalho, fazendo o Personagem PAULO BRASILIS ( Sátira ao Jornalista PAULO FRANCIS ).

- Em 2001 esteve em TREPA NAS ESTRELAS, de Jumbo Culano, um filme de pouca repercussão e do qual as informações de Produção e Ficha Técnica são ESCASSAS, tanto em Internet, como fora Dela.

- Em 2003 fez Participação Especial no Filme POR UM FIO, Dirigido por João Batista de Andrade, contracenando com os Protagonistas vividos por Flávia Alessandra e Tarcísio Filho.

- Em 2007 foi Convidado a Participar da Sátira Á ESPERA DA MORTE, um Curta-Metragem produzido através de Recursos do Governo do Distrito Federal, filmado pelo Grupo de Humoristas MELHORES DO MUNDO ( Adriano Siri, Jovane Nunes, Ricardo Pipo, Victor Leal e Welder Rodrigues ), com Direção de André Luís da Cunha. O Curta ( TODO Filmado em LINGUAGEM RUSSA e exibido LEGENDADO ), foi Premiado como Melhor Direção de Arte no Festival de Vídeo e Cinema de Cuiabá em 2006. Na época, Chico Anysio, por Afetividade ao Grupo, aceitou o Convite de uma Participação Especial e Conquistou Elenco e Produção com seu jeito Amável e Simplicidade.

Por volta de 2009/2010, Chico foi Narrador e também Dublador do Filme/Animação CÍCERO- O SANTO PADRE, Filme Artesanal que conta a História do Padre, projeto idealizado, produzido e dirigido por Sinfrônio Lima Neto. O Filme, que foi exibido em formato de MINISSÉRIE, levou 1 Ano e Três Meses para ser produzido, com técnicas de Computação Gráfica, com Personagens Caricaturas. Não foi lançado nos Cinemas nem em DVD. Foi liberado por seu Produtor em Plataformas de Streaming de Internet e os Direitos Autorais do Filme são da Fundação TELEDUCAÇÃO DO CEARÁ - FUNTELEC.


Zé Esteves, em TIETA DO AGRESTE, chamou a Atenção do PÚBLICO e CRÍTICA e contribuiu com o Reconhecimento de Chico como ATOR, fora do âmbito do Humorismo.

Apesar de ter Sido Rodado em 2011, A HORA E A VEZ DE AUGUSTO MATRAGA foi Lançado quatro anos depois, em 2015. Chico Anysio, que já havia sido Premiado por sua Atuação no Filme, foi Premiado novamente com Trófeu Póstumo. 


* Temas a serem abordados por este Blog Futuramente

Kerley Fernandes Salguero, ( fã, admiradora, pesquisadora e idealizadora de conteúdo para projetos virtuais )