Chico Anysio - O Cronista

05/07/2019

De 1973 a 1989 o Mestre do Humor manteve um Espaço dentro do FANTÁSTICO, o famoso programa dominical da TV GLOBO do qual Ele Mesmo foi um dos idealizadores e criadores. Começou fazendo Monólogos sobre o Personagem AZAMBUJA, que, tempos depois se tornou um Personagem DE FATO, interpretado por Chico em seus próprios programas de Humor.


De 1975 em diante começaram as Crônicas, onde Chico abordava de maneira Humorística e Satírica os principais assuntos do momento e/ou os acontecimentos semanais.


Arnald Rodrigues era o Responsável pelos monólogos de Chico ( tanto as histórias do AZAMBUJA como as crônicas que vieram posteriormente ). Nos últimos anos da década de 70, Marcos César é quem criava os textos interpretados por Chico.

" Com a saída do Arnald, passei para o Marcos César os monólogos do FANTÁSTICO, e como saí ganhando nessa troca ! Marcos não era bom de diálogo, mas em monólogos, nem Max Nunes conseguiu ser melhor do que Ele. Somente o texto do comercial da SHARP onde eu dizia que o homem devia nascer com oitenta anos e morrer criança é suficiente para mostrar sua competência. Dezenas de monólogos receberam centenas de pedidos, de cópias, coisa que o Wilson Luiz, meu assistente desde a TV-RIO nunca deixou de atender ", conta Chico em sua Autobiografia, SOU FRANCISCO, de 1992.


E foi em 1992 que Chico teve uma breve passagem pelo JORNAL DA GLOBO como Comentarista das principais notícias, e também retornou brevemente ao FANTÁSTICO num quadro totalmente diferente, SECRETÁRIA ELETRÔNICA, onde Chico respondia aos recados deixados pelos telespectadores. Devido ás bobagens que eram ditas ou perguntadas e ao muito pouco do que era aproveitado pela produção do programa para ser respondido por Chico, o quadro não fez sucesso e não durou muito.


O que talvez pouca gente saiba é que Chico, sozinho, com sua Inteligência, Capacidade de Observação peculiar e Habilidade na Arte de ESCREVER, já havia se aventurado como CRONISTA. Em 1968 escreveu alguns Artigos especialmente para a extinta Revista REALIDADE, da editora Abril. Textos enormes que traziam RISOS e REFLEXÕES. Em 1969 passou a ser CRONISTA do Jornal O PASQUIM, que entrou para a História por suas Publicações Políticas e Satíricas em plena época de CENSURA. 


BRASIL, PAÍS DO AMANHÃ foi o primeiro Artigo de Chico Anysio para uma Revista. Até então apenas humorista na TV e redator de seus próprios programas e de outros, aceitou explorar o lado Cronista e já no primeiro texto chamou a atenção dos leitores. 

Outra Crônica, bem maior que a anterior, de 8 páginas, QUEM NÃO TEM SUA MANIA ?, também chamou a atenção dos leitores da revista e foi publicada na Edição 31. Interessados na leitura desta, entrem em contato comigo ! ; )

Kerley Fernandes Salguero, ( fã, admiradora, pesquisadora e idealizadora de conteúdo para projetos virtuais )