Chico Anysio - O Diretor

19/07/2019

Dentre os vários Ofícios ao longo da Carreira do Mestre, DIRETOR foi um dos Destaques. Chico foi Diretor de Programas no Rádio e na TV, também de Shows, Espetáculos e Peças Teatrais, além de ter sido, no final dos anos 60, Diretor do TELECENTRO ( Central de Shows da extinta TV-TUPI )

A Arte da Direção


Chico tinha suas Próprias Visões a respeito dessa PROFISSÃO : " Como dependemos dos Diretores ! Nem eles mesmos sabem o quanto são Importantes. O trabalho final é do Diretor. Não há bom ator que resista a um mau Diretor. Um bom Diretor acerta o trabalho de um mau ator. O filme é feito na moviola. O filme está na cabeça do Diretor. Em proporção um pouco menor, o mesmo acontece no Teatro e na Televisão. O Diretor é tão Importante que Laurence Olivier ( CSir, por causa de Shakespeare ) nunca encenou o HAMLET sem contratar um.. (.. ) ..Somente ME DIRIGI por alguns meses, numa das etapas do CHICO ANYSIO SHOW ( Relato em 1992 ). É Péssimo. O Diretor corrige, ajuda, ensina, acerta, acrescenta, amplia, arruma, enfim. Por pior que ele seja, é melhor tê-lo do que fazer sozinho. É Importante, porém, que o Diretor ESCUTE. O trabalho pode ser feito por meio de uma TROCA. O Diretor diz o que quer e como quer, mas não pode obrigar o ator a fazer EXATAMENTE DAQUELE MODO. Ele tem que deixar o ator dizer se se sente mal fazendo assim. Tem que ouvir a opinião do ator. Sempre pode ser conseguido um Acordo. Também acho errado o ator dar muito palpite na Direção. Os dois extremos são errados. Quando há entendimento tudo ocorre melhor. O Diretor tem a cena como quer e o ator a faz como sente, dentro daquilo que o Diretor pediu. Pelo menos comigo tem que ser assim. E Sempre foi. Trabalhei com todos os Monstros Sagrados da Direção e todos eles me deixaram falar :
- Não me sinto bem, fazendo assim. Que tal se... E Eles ou aceitavam ou chegávamos a um acordo. Não me lembro de ter brigado com nenhum. "
" Igualmente não dá certo quando o Diretor DEIXA demais. DIRETOR DITADOR é Ruim. DIRETOR SOCIALISTA é Péssimo. O bom Diretor é aquele que encontra o meio-termo. Faz o que o ator gosta, do Modo que ele Prefere. Por isso é Difícil ser Diretor. "


Principais Trabalhos de Chico Anysio como Diretor


Nos tempos do Rádio, Chico, juntamente com a atividade de redator e rádio-ator, era Diretor. " Eu não trabalhava nos programas que escrevia, porque os dirigia. Não dava para fazer as duas coisas ao mesmo tempo. "


Em se tratando de Televisão, Chico foi Diretor pouquíssimas vezes. Dirigiu a Central de Shows da TV-RIO á convite de Walter Clark, época em que Chico propôs que a emissora fosse uma exclusividade no Ramo Humorístico. Ao mesmo tempo atuava dentro do fenômeno CHICO ANÍSIO SHOW. Na época em que saiu da TV EXCELSIOR pela segunda vez, quando a emissora começou a falir, aceitou o convite do Dr. João Calmon, da TV-TUPI, para assumir a direção do TELECENTRO, a Central de Shows criada pela emissora com o objetivo de competir com a TV RECORD, que naquele período dominava a audiência com seus programas. Mas, absurdamente, as emissoras associadas compravam os programas da RECORD e os colocavam no horário nobre e os seus próprios programas eram postos no ar ás onze e meia da noite. O TELECENTRO acabou não dando certo, mesmo com Chico Anysio tendo aberto mão do Cargo de Direção e indicando José Bonifácio de Oliveira Sobrinho, o Boni, para assumir seu lugar. 


Em 1974, Chico Dirigiu o famoso espetáculo do cantor Jorge Ben Jor ( á época Jorge Ben ), PAÍS TROPICAL.


Entre 1988 e 1989 foi Responsável pelo show HUMOR PRA VALER, que marcou a estreia do apresentador João Kléber como Humorista ( João também teve início no meio humorístico televisivo fazendo parte do elenco do CHICO ANYSIO SHOW, na temporada de 1989 ).


Em 1992, dirigiu seu filho Lug de Paula no Show SEU BONECO, referente ao famoso Personagem eternizado na ESCOLINHA DO PROF° RAIMUNDO. No ano seguinte, dirigiu outro show que dava ênfase a outro Personagem de Sucesso do Programa, João Canabrava. É CANA E BRAVA marcou o lançamento do humorista Tom Cavalcante. 


Em 1995, foi Diretor de uma das Peças Teatrais de maior Sucesso da comediante Fafy Siqueira, FAFY SE QUEIRA, OU NÃO QUEIRA, peça Escrita por Ele próprio, e que chegou a ter outra Versão com o mesmo Nome. Anos mais tarde, voltou a dirigi-la no teatro com o espetáculo DÓ-RÉ-MI-FAFY. Ainda em 1995, dirigiu o filho Nizo Neto e outros atores na Peça TV SÁTIRA. 


Em 1996, dirigiu André Damasceno em BAR TCHÊ e João Claudio Moreno em O PIAUÍ É AQUI.


Em 1988, comandou o COM LICENÇA, ESTOU CHEGANDO, de Ivon Cury, show que lançou seu filho André Lucas nos Palcos. Anos mais tarde passou a Dirigir André em CORRA QUE O PULIÇA VEM AÍ. 


No início dos anos 2000 entra em cartaz com O FOFO, Show que misturava CRÍTICA e REFLEXÃO abordando os problemas típicos dos brasileiros. O FOFO foi Escrito, Encenado e Dirigido por Ele Mesmo.


Em 2006, foi Diretor Geral do Espetáculo 20 ANOS DE CANECÃO, do cantor Elymar Santos, que Se transformou no DVD PROCURA-SE.. 20 ANOS DE CANECÃO, gravado na famosa e extinta casa de Shows do Rio de Janeiro. Chico dirigiu Elymar em outros Shows e, como Compositor, escreveu Repertórios para trabalhos dele.

Kerley Fernandes Salguero, ( fã, admiradora, pesquisadora e idealizadora de conteúdo para projetos virtuais )