PROJETO REVIVENDO CHICO ANYSIO - PARTE 1 - ANOS 50

12/04/2020

O Garoto que saiu de Maranguape -CE aos 8 anos de idade com a família, após uma fatalidade com a empresa de ônibus pertencente ao Pai, destruída por um incêndio, ao chegar no Rio de Janeiro não fazia a menor ideia do seu DESTINO : se tornar um dos MAIORES MITOS DO HUMOR e DA ARTE NACIONAL. Apaixonado por Futebol e aspirante a carreira de Advogado Criminalista, vez por outra sentia um impulso artístico, impulso que o fazia participar dos mais diversos concursos de Rádio. A HORA DO PATO, OS CALOUROS DE ARY BARROSO, PESCANDO ESTRELAS (na Rádio Clube do Brasil) e A HORA DO TRABUCO ( pela Rádio Tupi ) foram alguns dos inúmeros concursos dos quais o Mestre participou ( e saía sempre vencedor ). Porém, o mais marcante de todos aconteceu em 1947. Por sugestão de um colega, Chico, que era ótimo imitador, resolveu se arriscar e se inscreveu em um dos programas de maior sucesso da Rádio Nacional na época : PAPEL-CARBONO. Amedrontado e desesperançoso diante das apresentações dos calouros que o antecederam, quase desistiu de se apresentar, mas acabou enfrentando a situação. E Venceu ! Apesar do futebol e dos planos de seguir a profissão de advogado, continuou participando de vários concursos de calouros ( sendo vencedor em todos ) em emissoras diversas e permaneceu com a ideia fixa pelo meio artístico, o que o fez insistir em ser recebido pelo diretor da Rádio Guanabara, que após seis meses indo procurá-lo diariamente ( de segunda á sexta ), conseguiu finalmente receber sua atenção. Chico, depois de preparar um programa chamado PARECE, MAS NÃO É, e entregar ao diretor, conseguiu a oportunidade de começar a trabalhar na rádio, sem remuneração ( só passaria a ser remunerado se o programa fizesse sucesso ). Infelizmente fracassou, assim como um projeto de Radiobaile na mesma Rádio, que não funcionou e o fez ser dispensado. Chico, desiludido, voltou então suas atenções ( e intenções ) aos estudos de Direito. Até que um dia aconteceu o Episódio do Tênis esquecido, ( história conhecida por seus Fãs e Admiradores, contada por Chico em diversas ocasiões e retratada inclusive em sua Autobiografia SOU FRANCISCO, de 1992 ) onde, desistindo de voltar para a partida de Futebol e acompanhando a irmã Lupe Gigliotti no concurso da Guanabara, Chico tirou o Sétimo lugar no teste de Radioator e o Segundo lugar no de Locutor, ficando atrás apenas de Silvio Santos, que foi o Vencedor. Em 1948, começou como locutor nos programas das madrugadas da Rádio Guanabara. Também foi galã das Rádio-novelas da emissora. Ainda se tornou colaborador do Locutor Raul Longras na programação de Futebol, se tornando comentarista Esportivo. Quando resolveram investir na linha de Humor, Chico, pela habilidade de imitar vozes, saiu das novelas. Começou aí sua saga no Humorismo. Escrevia diversos Programas, e onde não estava atuando, tinha a função de dirigir. Seus destaques foram os Programas SHOW PING-PONG, CINE ART- PALACINHO, TEATRINHO BHERING e RADIAC C-8.

Quando a Rádio Guanabara foi comprada pelo político Adhemar de Barros e a conotação da programação teve de ser mudada, iniciou-se uma crise interna, o que fez Chico ir parar na Rádio Mayrink Veiga em 1950, através de seu irmão mais velho, Elano de Paula. Um desentendimento com o Diretor ( ironicamente a Incompreensão Deste por Chico não ter carga horária livre suficiente para conseguir tirar sua Carteira de Trabalho, devido a quantidade Exacerbada de funções e de Programas dentro da Rádio ! ) o fez ser despedido, mas, através de Ronaldo Lupo, conseguiu no mesmo instante da demissão um novo emprego na Rádio Clube de Pernambuco, local onde conheceu um de seus melhores Amigos e Parceiros Profissionais : o falecido humorista Lúcio Mauro. Um dos Programas de Destaque de Chico foi ao lado de Melo Júnior em SESSÃO DAS TRÊS. A Mudança de Estado e de Emprego, porém, foi uma das experiências mais difíceis e desagradáveis na vida de Chico, por uma série de circunstâncias.

Em 1951, entre episódios de dificuldade de adaptação, saudades da família no Rio, falta de dinheiro, melancolia por solidão, e o resultado frustrante na apresentação do seu primeiro grande trabalho pela Rádio Clube de Pernambuco ( o Espetáculo ao vivo BRASIL MUSICAL, promovido pela rádio ), gerado por uma série de erros e embaraços, Chico foi vítima das Perseguições por parte do diretor artístico da emissora, Otávio Augusto Vampré, e das injustiças provenientes disso. Havia uma Tabela de Programas e Funções, onde, no período Noturno, Chico não se Via Escalado. Porém, após a saída de Chico, Vampré, propositalmente, acrescentava o nome " Francisco Anísio ". A Ausência de Chico era considerada como Preguiça/Irresponsabilidade. Inicialmente Chico foi Multado. Depois passou a ser Suspenso. Após diversas situações complicadas, concluiu não ser mais possível continuar morando em Pernambuco e trabalhando na Rádio, mesmo faltando dois anos e três meses de Contrato. Decidiu propor ao Diretor Geral Arnaldo Pinto pagar a Multa de Rescisão Contratual no período de quatro anos, em forma de programas semanais escritos para a Rádio, enviados do Rio. O Acordo foi Aceito.

Já de volta, empregado na Rádio Clube do Brasil, outro período de injustiças, mas dessa vez, não por culpa de perseguição ou implicância, mas de Persuasão por parte do Diretor Geral da Rádio. Chico trabalhava na rádio sem contrato, e, Sérgio Vasconcellos, Diretor artístico/geral, convenceu Chico a ir protelando a Assinatura, Assinatura esta que o tornaria um funcionário Formal e com todos os Direitos Trabalhistas. Isso porque Sérgio estava acertando sua ida para a Rádio Nacional e demonstrou enorme interesse em levar Chico com ele : " Eu estou para ir para a Rádio Nacional. Então, não assine contrato aqui. Vá transferindo, vá adiando, vá deixando pra depois, mas não assine. Em dez, doze dias, eu resolvo se vou pra Nacional ou não. Se eu não for, você assina contrato e tudo fica resolvido, mas se eu for, quero levar você comigo e, sem contrato aqui, você estará desimpedido e poderá ir. Entendeu ? " Chico se encheu de Alegria e de Expectativas.

Um dia, Chico foi chamado á sala de Dias Gomes ( o Famoso Dramaturgo e Novelista ), que na época era o diretor de broadcasting da rádio, juntamente com outros funcionários : " Há uma ordem de cima para que se diminua a folha de pagamento e vocês, infelizmente, terão que ser dispensados. " Chico estava entre os Citados. Passou dias esperando pela chamada de Sérgio Vasconcellos. Até que, uma semana depois, não aguentou mais esperar e foi pessoalmente procurar Sérgio na NACIONAL. Sérgio o recebeu com enorme Alegria, porém, se fazendo de " desentendido " com a Presença de Chico. Um misto de Raiva, Inconformismo e a Sensação de ter sido enganado e " feito de Bobo " tomou conta de Chico. Chico ficou seis meses desempregado. Após esse período, conseguiu emprego no Sindicato dos Economistas como entregador de correspondências, e, entre uma entrega e outra, ou quando terminava seu expediente, entrava em uma rádio ou outra atrás de oportunidades. Esteve diversas vezes na Rádio Tupi conversando com o Diretor Paulo de Grammont, sempre ouvindo " NÃO ". Um dia qualquer, Paulo recebeu Chico de maneira diferente. Combinaram valores de salário, funções e quantidade de programas. Saindo a caminho do Tabuleiro da Baiana onde pegaria o bonde para casa, Chico, sem nenhuma explicação lógica, virou a Rua Rio Branco e, em vez de seguir por ela, resolveu dobrar na Rua dos Beneditinos. Essa atitude fez com que o Destino de Chico Anysio mudasse completamente : ENCONTROU Haroldo Barbosa, na época famoso e Experiente Profissional de Rádio, que o fez desistir de ir para a Tupi e o levou para a Mayrink Veiga, onde Chico Estabilizou sua carreira e onde, trabalhando com Haroldo, lapidou seu Talento Nato. " Entrei no saguão da Mayrink com o moral tão alto que nem me lembrei estar passando pelo telefone através do qual o Ronaldo Lupo, há um ano e pouco, havia conseguido meu emprego em Pernambuco" , relembrou Chico em sua Autobiografia. Naquela mesma noite, Chico retornou á Rádio Tupi para avisar Paulo de Grammont que não assinaria mais contrato, fato que foi compreendido pelo Diretor. O Fato ocorreu em 1952.

Na Mayrink Veiga, Chico fazia enorme sucesso e se Estabeleceu na Profissão. Criou, escreveu e participou de diversos programas e passou a ter Fama nas revistas especializadas da época, como REVISTA DO RÁDIO e RADIOLÂNDIA. Ao mesmo tempo, fazia enorme sucesso com Composições Musicais. Entre 1956 e 1957, a cantora Dolores Duran foi a que mais gravou canções feitas por Chico e, até hoje, seu Nome é associado ao Dele. Gravou A FIA DE CHICO BRITO ( regravada anos mais tarde por Elis Regina ), ZEFA CANGACEIRA e outros baiões de Sucesso escritos por Chico. O LP ESSE NORTE É MINHA SORTE, lançado em 1959, é inteiramente de Baiões compostos por Chico em parceria com Dolores. Em 1956, a parceria com o humorista CHOCOLATE ( Dorival Silva ) eternizou HINO AO MÚSICO, gravada pelo Trio Irakitan. " Aprendi a fazer melodia com o Chocolate. Ele disse : ' Vem botar a letra de uma música aqui, que a gente vai fazer um Sucesso com ela lá na RÁDIO NACIONAL ( áquela altura, a emissora tinha Coligação com a Programação da Mayrink Veiga )! Fomos pro terraço - ele imita os instrumentos - e eu botei a letra. Era HINO AO MÚSICO ( ' Música é Alegria.. ' ).. ( .. ) ..Passou a ser o MEU PREFIXO e o dos meus Programas. Aonde vou tocam essa música, e eu cedi os Direitos ao Gerente da Ordem dos Músicos. ", contou em 2010 no Programa MPBambas, do crítico musical Tárik de Souza. Também ao mesmo tempo, se dedicava a trabalhos referentes ás CHANCHADAS da ATLÂNTIDA. Em 1955, fez sua primeira Aparição no Cinema em O PRIMO DO CANGACEIRO, filme de Plinio Campos estrelado pelo comediante Antônio Carlos Pires, Sérgio de Oliveira e Zé Trindade, com Argumento de Jota Ruy e Roteiro de Ruy Costa. No mesmo ano, foi Roteirista de SINFONIA CARIOCA e Roteirista e Dialoguista de TRABALHOU BEM, GENIVAL. No Ano seguinte veio GENIVAL É DE MORTE, e foi também colaborador de Haroldo Barbosa como Dialoguista em COLÉGIO DE BROTOS. Outros 6 Filmes estiveram sob responsabilidade de Chico em 1957, outros 4 em 1958, e outros 3 em 1959, tendo ainda participado somente como Ator em EU SOU O TAL, no mesmo ano ( Toda a Listagem de Filmes e Trabalhos de Chico Anysio nos tempos das CHANCHADAS encontram-se no BLOG MEMORIAL CHICO ANYSIO ! ).

Seus Programas de Rádio se tornaram Populares e Sucessos de Audiência. Sob o Nome Artístico de FRANCISCO ANÍSIO passou a ter cada vez mais Foco na Mídia. Semanalmente era mencionado na extinta revista RADIOLÂNDIA, na lista dos Programas mais ouvidos do Rádio, ou aparecia em Reportagens. Numa delas, comentou sobre ser Autor e Intérprete : " Não tenho preferência. Só não gosto de ser Intérprete nos programas que eu mesmo escrevo. Nesses casos, só vou para o microfone em caso de desespero. " Na época, o Auge do Sucesso de Chico Anysio era MESTRE FILÓ, do Programa A LIRA DO XOPOTÓ. Convidado por Paulo Roberto para fazer o Personagem, dizia que o motivo de sua escolha para o Papel era devido a Voz do Personagem já ser conhecida por outro Famoso : PROFESSOR RAYMUNDO, Personagem que Consagrou Chico dentro do Programa A CIDADE SE DIVERTE, de Haroldo Barbosa. Fez Sucesso também em TEATRO DE COMÉDIAS PIRAQUÊ ( patrocinado pelos Biscoitos da Marca ), de Autoria e Produção de um de seus grandes ídolos : Ântonio Maria, falecido em 1964. E ainda era Destaque no LEVERTIMENTOS, uma das maiores audiências da Mayrink, sob Produção e Direção de Haroldo Barbosa e no VAI DA VALSA, onde atuava, entre outros, ao lado de Antônio Carlos Pires e Nancy Wanderley. Uma de suas maiores incentivadoras como ATOR, Nancy atuava em Programas escritos por Chico ou contracenava com ele em outros. Casaram-se em Agosto de 1956. De Colega de trabalho na Mayrink, se tornou Estrela efetiva dentro dos Programas produzidos pelo marido.

DA BOCA PRA FORA, de Stanislaw, também contava com Chico no Elenco, ao lado de Zé Trindade e Wilton Franco. Os Programas ÂNGELA MARIA CANTA ( Musical exclusivo da Cantora na Mayrink ), VAI LEVANDO, ESTE NORTE É DE MORTE, ALEGRIA DA RUA e ME DÁ O SEU BONÉ foram os Principais Sucessos de Chico Anysio dentro da Mayrink. Ainda se destacava com DE CONVERSA EM CONVERSA e TIME DE COMÉDIAS PREDILETO. Considerava VIRGÍLIO, de ESTE NORTE É DE MORTE o Personagem mais simpático que havia criado no Rádio. Por outro lado, considerava ABDIAS, do VAI LEVANDO, o mais antipático. O público ouvinte, no entanto, simpatizava com o Personagem. Á revista RADIOLÂNDIA, em 1956, declarou que os Personagens que mais lhe agradavam eram os que revelavam " sabor Humano " na sua conduta e nas suas ações, defendendo que " O Personagem só encontra Receptividade quando o ouvinte sente que pode se dar ou mesmo encontrar na rua um tipo semelhante aquele que figura na história que o Autor criou. " Sua maior decepção havia sido o Programa MEMÓRIAS DE UM CANGACEIRO, que não permaneceu no ar por mais de três semanas. Ainda confessou que não gostava de seu trabalho como Comediante. Chico, dentro da Mayrink, ainda era responsável por BURACO DA FECHADURA, MOTO CONTÍNUO, BALBINO É O MEU XODÓ, CANAL SETE E MEIO e USE E ABUSE. Muitos destes Programas Chico havia passado para outros Produtores, em virtude do Novo Contrato que havia assinado com a Organização Victor Costa ( que era detentora da Rádio Nacional e de outros veículos, como a Rádio Mundial, Rádio Excelsior e Rádio Record ). RIO DE JANEIRO, ETC. E TAL e COMÉDIA DA CIDADE foram alguns dos últimos Programas de Chico pela Mayrink. Em MISS CAMPEONATO interpretava FUTEBOLINO, cuja Voz Rouca era sua Marca. Na Rádio Mundial, estreou com PRA CABEÇA. Também fazia TIM-TIM por TIM-TIM (Programa de conteúdo Jornalístico entremeado com Humor) que ia ao Ar pela mesma emissora. A COMÉDIA DA VIDA, que ia ao Ar pela Rádio Tupi ( pertencente a Organização Victor Costa ), era um programa de Chico adaptado e produzido por Luís Orione.

Em 1957, Chico já atuava na Televisão paralelamente ao trabalho no Rádio. Seu primeiro trabalho efetivo na TV foi no programa AÍ VEM DONA ISAURA ( TV-RIO ), onde foi escalado por Haroldo Barbosa para fazer o Tio da Personagem. Nesse mesmo período, fez outros trabalhos na TV TUPI através de Maurício Sherman, entre eles o ESPETÁCULOS TONELUX.

Chico prosseguia no Rádio e trabalhava em emissoras de TV diferentes, já que naquele tempo ainda não existia o Contrato Exclusivo, o que possibilitou o Mestre escrever e atuar em diversos programas. O primeiro deles foi NOITE DE GALA, de Abrahão Medina, onde Chico escrevia vários quadros de Sucesso como MESA OVAL OU RACHA e PROFº LOURENÇO ( interpretado por Antônio Carlos Pires ) protagonizado juntamente com Sonia Lancellotti e João Loredo. No quesito Interpretação, Chico criou o famoso personagem CHARLIE WESTMINSTER, " THE THIRD " , um recruta do Exército, que misturava o inglês e o francês no vocabulário e que tinha um mordomo que executava todas as tarefas por ele. Em sua Autobiografia, Chico relembra : " A Mayrink já liderava nos horários dos programas ' montados ', como se denominava o programa com elenco e orquestra, mas a TV TUPI continuava comandando o Ibope na televisão. Para mim era quase indiferente este domínio, porque Eu era das Duas. Já trabalhava também no SUPER SHOW, um programa criado pelo Sherman para combater o NOITE DE GALA. Eu concorria comigo, mas não fazia mal. Importante eram as chances que eu tinha nas duas emissoras, o aprendizado, a Vitrine onde meu trabalho ia sendo exibido. "

ROMEU E JULIETA foi um dos primeiros Destaques de Chico Anysio já neste ramo. Nancy Wanderley estrelava o humorístico ao lado de Zé Trindade sob Script de Chico. " No ROMEU E JULIETA Eu lancei, com a direção de Wilton Franco, a ' externa ' nos programas de humor. Eram cenas sem diálogo, filmadas, e não com vídeoteipe, mas davam uma ' respirada ', saindo do entre quatro paredes. ROMEU E JULIETA era uma comediazinha de 25 minutos. Uma experiência que se fazia. Uma tentativa de sair do esquema ' quadro-quadro-quadro-quadro, uma busca por outro formato, já tentado pelo Max ( Nunes ) em CASA DE FAMÍLIA DE TODO O RESPEITO. Não funcionou nem em um nem outro. O público queria o ' quadro-quadro-quadro.. " contou em sua Autobiografia de 1992. Em 1958, Walter D'avila brilhava na TV-RIO através do Personagem SEU OBTURADO, do programa Homônimo, de autoria de Chico. Em 1959, o sucesso FEIJÃO, ARROZ E ALEGRIA, pela TV TUPI, era Estrelado por Nancy Wanderley e Hamilton Ferreira, com textos de Chico.

Até que a Era Radiofônica, no Brasil, de um modo geral, foi chegando ao fim. " Isso me dava uma pequena dor por dentro, porque o rádio sempre foi para mim uma escola da maior importância. Foi no rádio que eu aprendi, que me criei. Não me trazia nenhuma felicidade esse nocaute que a televisão se preparava para impor ao rádio e muito me desagradou o rádio ter ' jogado a toalha ', entregando a luta. Ainda fiz ver aos diretores que o horário nobre apenas havia mudado.. (.. ) ..Sugeri a transferência da programação noturna para a manhã. Os programas ' montados ' passariam para de manhã, e á noite colocaríamos música, com disc-jóqueis. Eles preferiram abolir os programas montados, e usar disc-jóqueis na programação geral " , contou Chico em sua Autobiografia. Chico Anysio sugeriu que a TV-RIO tivesse sua programação baseada no que acontecia na Mayrink : voltada totalmente para o Humor, sugestão acatada por Walter Clark ( Diretor Comercial ) e Péricles do Amaral. Dessa forma a TV-RIO nasceu e começou a Saga Definitiva de Chico Anysio no meio Televisivo.

NOITES CARIOCAS foi a grande Sensação da TV-RIO, criado por Chico. " NOITES CARIOCAS ( inicialmente dividido em duas partes de uma hora cada ) tinha índices acima de 60 pontos e 80 % dos personagens conseguiam sucesso total. A Nata do humor brasileiro fazia parte do elenco da TV-RIO, porque além dos humoristas cariocas ( a maioria ) ainda contávamos com o que havia de melhor em São Paulo, como Maria Tereza, Murilo Amorim Correia, Renato Côrte Real e toda a PRAÇA DA ALEGRIA, comandada pelo talento, elegância e simpatia de Manoel de Nóbrega. A PRAÇA cobria as noites das Terças-feiras, fazendo explodir este fenômeno que é Ronald Golias e lançava no mundo do riso Moacyr Franco. Completavam a Terça-feira outros dois programas : MILHÕES DE NAPOLEÕES, escrito por mim para o elenco da casa - estrelado por Nancy Wanderley - e RIO, TE ADORO, versão carioca do SÃO PAULO, NUM TE GÜENTO, do Aloysio Silva Araújo.. (.. ) ..A competição era praticamente interna. Nós ' brigávamos ' conosco, já que a TV TUPI limitava-se aos dois programas escritos por este monstro sagrado do humor que é Max Nunes ( BOATE DO ALI BABÁ e EM CASA DE FAMÍLIA DE TODO O RESPEITO ). "

No Final da Década de 50, os Sucessos Humorísticos na TV só aumentavam. Chico Anysio, que foi idealizador, roteirista e algumas vezes ator nas CHANCHADAS produzidas pela Atlântida, trouxe o Diretor Carlos Manga, até então específico em Cinema, para trabalhar no ramo da televisão e ajudá-lo na criação/elaboração de um programa de apoio aos demais humorísticos da TV-RIO. Assim nasceu O RISO É O LIMITE. " Manga aceitou conversar sobre o assunto e foi a TV-RIO. Não dava para resistir aos argumentos do Walter e do Péricles e, naquela mesma tarde, ele assinou contrato com a TV-RIO para dirigir o programa dos Sábados, cujo título ficou sendo O RISO É LIMITE, numa brincadeira com o grande sucesso da televisão naquele ano : O CÉU É O LIMITE, feito em São Paulo pelo Aurélio Campos, e no Rio por Jota Silvestre.. (.. ) ..O RISO É O LIMITE tinha como redator principal Aloysio Silva Araújo e fizemos ali uma competição incrível. NOITES CARIOCAS e O RISO É O LIMITE jogavam semanalmente um Fla-Flu, um Grenal, um Cruzeiro e Atlético. Era briga de cachorro grande. Os índices oscilavam acima de 85 pontos. Lembro de uma semana em que um deu 91 pontos, o outro, 93. Sempre com vantagem para O RISO É O LIMITE. Meu NOITES CARIOCAS não venceu nenhuma vez, mas isso não me entristecia. Eu trouxera o Manga para a TV-RIO e participara da criação do RISO. Além do mais, sempre torci, como torço até hoje, pelo sucesso dos programas de humor. O humor é a minha praia. Cada programa que dá certo, está dando certo para mim também, representa mais empregos para toda a classe. "

5 Curiosidades sobre Chico Anysio durante a Década de 1950 :

- Se tornou Amigo da atriz Fernanda Montenegro nos tempos da RÁDIO GUANABARA, em 1950. " Nos Testes da Guanabara, Tirei sétimo lugar no teste de rádioator e segundo lugar no de Locutor. O Vencedor foi Silvio Santos. Tenho dito, em várias entrevistas que perdi para Fernanda, mas não é verdade. Ela estava lá, naquele dia, mas não participou do concurso. Soube disso há alguns meses, conversando com Antônio Carlos.. (.. ) ..Fernanda já era Contratada. A vencedora, porém, ninguém lembra quem foi.. Que a Fernanda me perdoe se leu alguma dessas entrevistas, mas sempre foi glorioso para mim contar Duas Derrotas tão maravilhosas. Ela e Silvio sempre estiveram no time dos meus Ídolos, pelo Profissionalismo e Competência. "

- Era Destaque Semanalmente nas revistas RADIOLÂNDIA e REVISTA DO RÁDIO, seja no Ranking dos Programas de Rádio mais ouvidos, seja em Reportagens.

- Entre 1956 e 1957, fazia parte do Elenco do Programa TEATRO DE COMÉDIAS, que ia ao Ar pela Rádio Mayrink Veiga e era escrito por Antônio Maria. Antônio Maria Araújo de Morais foi um famoso Redator de humor e Cronista, falecido em 1964. Chico, além da Amizade, considerava Antônio um de seus Maiores Ídolos.

- Chico Anysio sempre dizia que a atriz Estelita Bell foi a primeira pessoa a acreditar Nele como ATOR. Apesar disso, a Comediante Nancy Wanderley foi quem ELEVOU em Chico essa CRENÇA, o Incentivando a Exploração do ramo da Interpretação. Nancy foi uma das maiores Comediantes Femininas da década de 50 e início dos 60, e foi a Primeira Esposa de Chico.

- Chico Anysio, além do Futebol, era Apaixonado também por FOTOGRAFIA. Durante os últimos anos da década de 50, Chico já tinha uma enorme coleção de Máquinas Fotográficas dispostas em sua Biblioteca, juntamente com seus livros ( que até se tornou Tema de matéria na extinta revista INTERVALO ) e, anos depois, chegou a fazer Curso Fotográfico, passando a entender profundamente o assunto ( qual a melhor luz, as melhores poses, os melhores ângulos.. ). FOTÓGRAFO, ainda que não profissionalmente, pode ser considerado um de seus inúmeros Ofícios ao longo da Vida.

5 FATOS que ETERNIZARAM Chico Anysio na Década de 1950 :

- A Consagração na Rádio Mayrink Veiga

- A Criação do Personagem PROFº RAYMUNDO, Sucesso dentro do Programa A CIDADE SE DIVERTE, de Haroldo Barbosa, na Mayrink Veiga.

- A Composição de HINO AO MÚSICO em Parceria com CHOCOLATE, que se tornou seu ETERNO PREFIXO.

- A Chegada á Televisão

- Os Diversos Trabalhos nas CHANCHADAS da ATLÂNTIDA.



Tem Interesse na Formatação/Encadernação ORIGINAL ?? LEIA OS AVISOS e Use o Espaço CONTATO !

AVISOS IMPORTANTES :

- Tal qual o Perfil do MEMORIAL no Instagram e este BLOG, o Projeto REVIVENDO CHICO ANYSIO é um Trabalho ABERTO AO PÚBLICO e SEM FINS LUCRATIVOS.

- Tendo sido Idealizado, Criado e Elaborado por Mim, está RESTRITO ao BLOG. Reproduções do CONTEÚDO em Outras Plataformas, exigirão Autorização Prévia !

- Utilização dos MINIGUIAS em Outro Formato, para outras Finalidades que não sejam LEITURA PESSOAL fora do BLOG, também exigirão Autorização Prévia !

- A Autorização é Simples, mas depende de Uma Condição : Ajudar no COMPARTILHAMENTO do PROJETO ! Gostou do que Leu e tem Interesse ? DIVULGUE a Amigos e a outros Fãs de Chico Anysio e Colabore para que as MEMÓRIAS do Mestre do Humor se Propaguem e Cheguem a mais Pessoas ! Nada mais Justo ! Principalmente, com Ele !


Idealização, Elaboração e Produção de Conteúdo : Kerley Fernandes Salguero

Conteúdos Extraídos da Autobiografia SOU FRANCISCO, de 1992, Revistas RADIOLÂNDIA e REVISTA DO RÁDIO e Trechos de Textos já Publicados no Blog MEMORIAL CHICO ANYSIO.


Kerley Fernandes Salguero, ( fã, admiradora, pesquisadora e idealizadora de conteúdo para projetos virtuais )