VOCÊ CONHECE CHICO ANYSIO ? - PARTE 1

01/07/2021

Francisco Anízio de Oliveira Paula era considerado um humorista nato. Quem o conheceu, garante que sua espontaneidade era capaz de provocar risos em qualquer um a sua volta. Um piadista sem o menor esforço. Uma pessoa naturalmente engraçada. Ironia do destino, o mais tímido e Sério de seus filhos é quem iria acabar se utilizando do Riso dos outros e se tornar O MAIOR HUMORISTA DE TODOS OS TEMPOS.

Francisco Anízio de Oliveira Paula Filho ( assim mesmo, com Z e sem Y ), o " Oliveirinha ", como era tratado quando criança, jamais poderia imaginar naquela época ter se tornado QUEM se tornou. Chico Anysio sempre responsabilizou o episódio do tênis esquecido da partida de futebol entre amigos por seu ingresso na vida artística. Mas, muito antes desse ocorrido, Chico já era frequentador assíduo de concursos de calouros, sempre saindo vencedor em todos dos quais participava. Ou seja, apesar de amante do futebol e de aspirante a carreira de advogado criminalista, existia uma vontade interna muito forte de querer ser artista.

Chico Anysio saiu de Maranguape - Ceará, por volta de 1939 , aos 8 anos de idade, por uma fatalidade. O Pai perdeu toda sua condição financeira quando sua empresa de ônibus foi destruída por um incêndio. Francisco Anízio de Oliveira Paula ( o Pai ) permaneceu em seu Estado e mandou Mulher e Filhos para o Rio de Janeiro.

Elano, Lupe ( Lupicínia ), Lília, " Oliveirinha " e o caçula Zelito ( o único dos irmãos que não nasceu em Maranguape, mas em Fortaleza ) e a Mãe, Haydée Viana, se instalaram em uma pensão na Rua das Laranjeiras, perto do Campo do Fluminense, onde Chico se tornou sócio-atleta e onde fez amigos e participou de várias festas.


Nascido em 12 de Abril de 1931, em Maranguape, no sítio pertencente á família, ás 5: 00 h em Ponto da manhã, sob o signo de Áries ( e com ascendente no mesmo signo ! ), Chico Anysio chegou ao mundo recebido por um alegre Canto de pássaros ( em várias entrevistas, Chico conta a história que, da janela do quarto onde sua Mãe se submeteu ao trabalho de parto, via-se uma árvore onde diversos pássaros pousaram em Grupo e passaram a cantar alegremente no instante do seu nascimento ). Sua Mãe deduziu que aquilo seria um Sinal de que seu filho seria muito feliz. Pode até parecer que Chico Anysio era uma pessoa feliz, mas, na realidade, não era bem assim. Fora do ambiente de trabalho, ou em lugares públicos, sem estar caracterizado de Personagens, Chico Anysio era visivelmente um homem triste. Tímido e Triste. Sofria de DEPRESSÃO. Isso surgiu na fase adulta, perto dos 50 Anos de idade. Mas sua Alma já carregava cicatrizes de uma infância complicada e traumática. Cicatrizes essas que, em Março de 2020, quando completou-se 7 anos de sua morte, foram Expostas de maneira Sensacionalista e Desnecessária em uma entrevista pelo YouTube, que foi retirada do Ar semanas depois, por determinação judicial. Muitas pessoas se Chocaram com Declarações Fortes que vieram á tona naquela entrevista. Há quem tenha se Chocado pelo Conteúdo do que foi dito. Coisas que Jamais poderão ter sua VERACIDADE Avaliada, por se tratar de três Pessoas já Falecidas ( Chico, seu irmão mais Velho, Elano, e sua Mãe ). Há quem tenha se Chocado pela Audácia de possíveis Calúnias e Difamações. A pessoa entrevistada ganhou COMOÇÃO de quem acreditou no que foi dito e REPÚDIO de quem não acreditou.

Realidade AUMENTADA ou NÃO, Chico sofria Violências durante a Infância. As surras e maus tratos ( muitas vezes por coisas que ele nem tinha feito ou não era culpado - em certa ocasião, por exemplo, foi espancado por causa de um Vaso quebrado dentro da sala de casa. Seu irmão Zelito havia quebrado o Vaso, mas, mesmo assim, Chico foi quem levou a surra ), as Agressões Físicas, essas sempre foram de conhecimento quase geral.

Quando Chico Anysio faleceu em Março de 2012, o Jornal O GLOBO resgatou um Texto que foi escrito por Chico por volta do final dos anos 80. Seria utilizado pela TV GLOBO em algum Monólogo ou no programa de Chico. Acabou arquivado. Em 30 de Março de 2012, uma semana após o falecimento do Mestre, o Jornal O GLOBO publicou o texto, até então INÉDITO. O MENINO trazia toda a nostalgia de um Chico Anysio ADULTO que, apesar de uma infância sofrida, desejava a todo custo voltar ao tempo de Criança : " Ou Eu encontro de novo esse Menino que um dia eu fui, ou eu não sei o que vai ser de mim. " Um Texto comovente ( já postado Completo no antigo Perfil @memorialchicoanysio no Instagram, em 14 de Abril de 2020 ).

Mas, na realidade, para Chico Anysio as coisas não eram exatamente assim. Chico não gostava de se lembrar dos tempos de criança. Evitava o quanto podia recordar sua Infância. Em SOU UM HOMEM DE POUCO RISO, uma entrevista concedida ao jornalista Narceu de Almeida para a extinta Revista MANCHETE, da editora Bloch, publicada em 13 de Abril de 1974, logo no início da conversa, Chico respondeu : " Tive uma infância muito Desagradável. Eu sou talvez a única pessoa no mundo, ou uma das poucas, que daria tudo não para voltar, mas para NÃO VOLTAR a infância. Eu apanhava muito. Um dia fiz uma piada sobre isso : Eu era uma criança muito responsável - responsável por tudo que acontecia em casa. Nunca tive festa de aniversário. Sou do tempo da palmatória, e por isso nem gosto de falar sobre a minha infância. Acho que essa é a razão por que fui mau aluno, numa espécie de vingança contra o tratamento que eu recebia. E esse talvez seja o motivo porque me excedo com meus filhos, para evitar que aos 42 anos eles tenham reclamações sobre o modo como os tratei. "

Em 1998, ao ser entrevistado pela jornalista Marília Gabriela em seu programa pelo SBT, DE FRENTE COM GABI, Chico voltou a falar sobre a infância, e se sentiu desconfortável ao falar sobre a Mãe, D. Haydée : " Não gosto de falar sobre isso. Certa vez desabafei na MANCHETE ( a Entrevista Mencionada ), minha Mãe quando leu, chorou muito. Tudo isso já passou, é coisa do passado. " Apesar disso tudo, sua relação com Mãe e Irmão mais Velho era Maravilhosa ( ou pelo menos se tornou Maravilhosa com o passar dos Anos ).

Elano de Paula, o irmão em questão, já era profissional do Rádio desde meados dos anos 40. Chico Anysio, por sua vez, ainda era totalmente anônimo quando surgiu pela primeira vez, em 1945, aos 14 Anos de idade, em uma Reportagem do JORNAL DOS SPORTS ( RJ ), Vencedor de um Campeonato de Futebol de BOTÃO. A Vida de Chico Anysio foi marcada pelo futebol, que era a sua grande paixão. " Sempre gostei de Futebol. Fui levado a gostar, porque meu Pai era Presidente do Ceará Sporting e muitas vezes o time se concentrava em Maranguape, no nosso sítio. Várias vezes fui aos treinos do Ceará com meu Pai, e aos jogos também. O Futebol fazia parte do meu dia a dia, " contou em sua Autobiografia de 1992.

Na pré-adolescência, Chico Anysio era uma espécie de BABÁ do irmão caçula, o famoso Cineasta e Diretor Zelito Viana. Era obrigado a tomar conta do irmão, por determinação da Mãe, coisa que Chico fazia com grande prazer. " Zelito era um quase-filho, Eu penso. Não me aborrecia ficar o dia inteiro brincando com ele por determinação da minha Mãe.. (.. ) ..Fiz isso durante incontáveis dias, tardes inumeráveis. Eu inventava joguinhos e brincadeiras, ele gostava muito de ficar comigo. Nunca brigávamos e as horas corriam depressa. Isso aconteceu durante pelo menos uns treze anos da nossa vida.. ", relembrou Chico no mesmo livro biográfico. " Eu e meu irmão Zelito inventamos um jogo em que recortávamos a fotografia colorida dos Times nas revistas, Jogador por Jogador, e a colávamos em cartolina. Era jogado sobre um tapete, com bolinha de cortiça que eu fazia cortando e arredondando com uma lâmina de barbear.. (.. ) ..Em qualquer brincadeira com o Zelito, eu sempre deixava que ele ganhasse, mas no Botão, não. O Botão era, para mim, uma responsabilidade. Botão era, naqueles dias, a única coisa que eu levava á Sério.. (.. ) .. Eu fazia os botões de Coco (com a Casca da fruta), como todos os meninos daquela época. Lixava primeiro no meio-fio da calçada, depois usava lixa número dois, número um, até chegar a lixa d'água que deixava o Botão lisinho, pronto para receber a palheta. Nos Campeonatos era meu o Segundo Lugar. Sempre. Como Sempre era o Dalto ( Riodades, colega de infância ) o Primeiro. Cada um de nós ' defendia ' um Time. O Dalto era Botafogo, mas eu não podia defender o Vasco, porque o dono da casa onde havia o Campeonato era vascaíno. Fiquei sendo o Representante do São Cristóvão .. ( .. ) ..Um dia o Dalto mostrou-me o exemplar do JORNAL DOS SPORTS anunciando o Campeonato carioca de Botão.. (.. ) ..Eram quase quatrocentos concorrentes. Isto fez com que o JORNAL DOS SPORTS subdividisse o Rio. Não podia haver quatro Jogadores disputando por Copacabana e cinco pelo Leblon. Eles foram dividindo os bairros em ' trechos' e Eu fiquei como Jogador de Águas Férreas. O Torneio era Eliminatório. Venci os Jogadores de Catumbi, o Jardim do Méier, Irajá, o Bar20, o Saúde, mais alguns que não lembro, e cheguei á Final, contra um rapaz chamado Reboredo, um baiano que defendia o Centro e jogava não com uma Palheta, mas com a Unha. O Dalto me emprestou o Time dele para disputar o Campeonato e, mais do que isso, ficou sempre ao meu lado, como treinador e sincero Torcedor. Venci o Jogo Final por três a dois e ganhei uma Taça. Teve Filmagem e tudo. Eu era o Campeão Carioca de Futebol de Botões. Mas o que foi filmado foi Exibido e minha Mãe viu.. (.. ) ..Levei uma Surra, mas das Taças que ganhei na Vida, de todos os Troféus que recebi, o mais importante pra Mim sempre foi essa TAÇA de CAMPEÃO CARIOCA DE BOTÕES.. "

Humorismo era a grande Especialidade de Chico Anysio, seja Criando, Escrevendo, se Apresentando nos Palcos ou Atuando. Mas, segundo Ele Mesmo, o Assunto de que mais entendia na Vida era FUTEBOL. " Penso que não há nada de que Eu entenda mais do que Futebol . " Já em início de Carreira, na Rádio Guanabara, se tornou Parceiro de Raul Longras : " Minha Voz era boa, minha Cultura aceitável e meu conhecimento de Futebol Surpreendente. Penso que não há nada de que Eu entenda mais do que Futebol. Mesmo Hoje ( 1992, quando lançou sua Autobiografia ), vez por outra causo espanto com este meu Conhecimento.. (.. ) .. Mais do que o dinheiro que o Longras me possibilitou ganhar, ficou na minha lembrança a felicidade de ter visto pessoalmente algumas coisas lindas, como a estreia do Heleno no Vasco, em São Januário, quando o Vasco derrotou o São Cristóvão por Onze a Zero. E na semana seguinte, em Caio Martins, eu estava no campo quando o Vasco venceu por Quatorze a Um o Canto do Rio. Vi o Vasco bater de Sete no bangu, no velho Campo da rua Ferrer. Foram meses Inesquecíveis. "

Chico Anysio também foi Comentarista Esportivo da EXCELSIOR. " Trabalhar com Geraldo José de Almeida foi uma honra muito grande. Ele foi um dos maiores Locutores Esportivos de todos os tempos e era dono de um caráter fora de série. Aprendi muito com ele. Um dos seus Ensinamentos Eu Uso até Hoje: Comentarista tem que Arriscar ! Falar o que já foi visto não é bastante. É preciso PREVER ! Hoje ( em 1991 ), quando sou Comentarista Esportivo do Luiz Penido, na Rádio TUPI, cada vez que faço uma PREVISÃO lembro do Geraldo. De modo geral, elas acontecem.. Se errar.. bom, se errar, dou um jeito. O Fato é que não me limito a contar o que já foi Visto ou Ouvido. "

Apesar disso tudo, grande parte de seu público estranhava este seu ofício ( alguns Fãs, e também pessoas famosas do RAMO, ousadamente, até chegaram a dizer em vários lugares que Chico era um verdadeiro " Desastre " analisando partidas de futebol ). Chico Anysio pouco se Importava com as Críticas a respeito disso. Por volta de 1993/1994, foi um dos Convidados Especiais do MESA REDONDA, o Tradicional Programa da TV GAZETA aos Domingos, na época comandado por Roberto Avallone ( falecido em 2019 ).

Também esteve em várias Ocasiões na Revista PLACAR, que foi a mais famosa revista voltada ao Assunto, pela editora Abril. Chico Anysio foi destaque de uma Matéria em Outubro de 1981, em Edição Especial, Dedicada ao PALMEIRAS ( Já Publicada por este Blog ! ) e em 1988 concedeu entrevista Especial á mesma Revista, para o jornalista Jorge Luíz Rodrigues, revelando toda a insatisfação com os Jogadores brasileiros da época e propondo Mudanças para atrair o público torcedor.

Em 1969, Chico havia sido convidado pela extinta revista MANCHETE para um ENCONTRO com os Jogadores Ado ( Eduardo Roberto Stinghen ) e Emerson Leão, também em 1969. Chico, Apaixonado por Futebol e Especialista no Assunto desde Sempre, naquele ano foi convidado pela extinta Revista MANCHETE para um Bate-Papo/Análise com os dois jogadores sobre a Copa do Mundo de 70, que estava prestes a Chegar. Na Matéria, Chico apostava na Vitória da SELEÇÃO, o que acabou se tornando FATO !

Em 1974, na extinta Revista SÉTIMO CÉU - SÉRIE AMOR, Chico Anysio desabafou uma História Particular : " Aos 15 Anos Participei do Campeonato Infantil de Futebol como Reserva do meu Time, o FLUMINENSE. No Dia da decisão saí de casa após ouvir ás recomendações de Mamãe para voltar ás 12:30 h. Como estava preocupado e tenso, não dei muita atenção ao que Ela falou. Voei para encontrar os companheiros. Fomos até o Estádio e me sentei no banco dos Reservas roendo as Unhas. Já estávamos no Segundo tempo quando um Titular caiu ferido. O Jogo parou e aí fui comunicado pelo alto-falante que iria substituí-lo. Esquentei os Músculos e entrei em Campo. Joguei Tudo o que sabia e, ao Final, ganhamos o Campeonato. Foi a maior Festa ! Já esquecido das recomendações da minha Mãe, fiquei na Farra. Como á noite haveria o Jogo dos Profissionais, o Diretor do Clube informou-nos que iríamos receber o TROFÉU após a Contenda. Fui para casa todo Feliz e Saltitante, e qual não foi minha surpresa em encontrar Mamãe furiosa porque me esperou horas a fio para o Almoço.. Conclusão : Ela não permitiu que Eu fosse receber a ambicionada TAÇA DE CAMPEÃO junto com o resto do Time. Vocês imaginam o que isto significou de Tristeza para Mim ? "

Tristeza era algo de que Chico já estava acostumado naquele tempo. Como quando foi mandado para um Colégio Interno, após ter sido reprovado no antigo Colégio Anglo-Americano, que por sua vez era o Colégio onde Chico havia sido matriculado após estudar no Colégio Zaccaria, Colégio do qual foi transferido por ter sido reprovado no Atheneu. Ou seja, Chico foi aluno reprovado do Atheneu, estudou por um tempo no Zacharia, até ir parar no Anglo-Americano, onde acabou reprovado novamente. Chico desabafou em sua Autobiografia : " Era o Colégio Independência, do professor Serrão, um matemático do Pedro II que estava abrindo o Colégio naquele ano. Éramos 26 alunos apenas, e foi um período muito desagradável. Como revide, fiquei um mês sem aceitar a folga dominical, passando os 30 dias no Colégio. Alguma coisa como ' já que minha família não me quer, também não a quero' . Ficávamos sozinhos. O bedel do Colégio ( insuportável ) e Eu. Era triste, mas era a forra possível. Tudo era ruim para os internos. O tratamento, o dormitório e principalmente, a comida. Um dia pulamos o muro depois do jantar e levamos, embrulhada num jornal, a comida que nos haviam servido. O cheiro da Carne estragada fez com que a esposa do professor Serrão vomitasse na hora em que abrimos o jornal á sua frente. Aquele ano de internato foi péssimo e me ensinou que não há erro de filho que valha a punição de um Internato.. "

Chico Anysio queria ser Advogado. Em sua juventude, leu mais de 3.000 livros policiais, e culpava a Matemática pelo IMPEDIMENTO de ter entrado na Faculdade de DIREITO. Revelou tudo em sua Autobiografia : " Sherlock Holmes, Nero Wolfe, S.S. Van Dyne, Hercule Poirot, Maigret, todos me eram familiares. Primeiro eu comecei a ler normalmente, depois como um Advogado faria, tentando descobrir o criminoso, imaginando as perguntas a fazer a cada provável indiciado. Li-os também sob o ângulo da Polícia, buscando pistas que me levassem ao assassino. Li muitas vezes sob o ângulo do Criminoso : como esconder, como dificultar a ação da Polícia. Poucas vezes ganhei do Autor. Da Agatha Christie, nunca. Mas naquele monte de livros que devorei, estava a preparação para o Criminalista que queria ser.. (.. ) ..O problema era a matemática. Era ela a responsável pelas minhas Duas Reprovações, e isto me irritava muito. Por que um Advogado tem que saber o Teorema de Pitágoras ? Que proveito o Advogado vai tirar de uma Raíz Quadrada ou de uma Regra de Três ?.. (.. ).. Amigos do tempo de menino já tinham dado o Pulo Maior. Eu ainda não, mas por causa da Matemática sacana, que sempre foi um tormento, uma atrapalhação inútil e tão desnecessária que quase me levava á Loucura. Eu seria um bom Advogado.. " Chico Anysio nunca escondeu uma Frustração por não ter seguido a Carreira de Profissional de Direito, enfrentando a Rotina dos TRIBUNAIS. O DIREITO PENAL perdeu um promissor Profissional para o Humorismo. E o Humorismo, onde Chico se consagrou como Profissional, apesar de ter sido um grande prazer e satisfação para ele, a certa altura de sua vida, trouxe um certo arrependimento. Chico considerava a si mesmo um " Médico do Espírito ", cujo único objetivo era levar ALEGRIA ás pessoas. Mas tanto trabalho durante tantas décadas já o fez em alguns momentos parar para pensar : " Não precisava ter feito tanto quanto Eu FIZ ! Tantos Personagens. Alguns se perderam no tempo, outros foram esquecidos, outros deixados de lado, outros nem sequer chegaram a ir ao Ar ! " Mas esse foi o caminho que escolheu para Si quando resolveu entrar para o Humorismo : Aquele que faz VÁRIOS ! Chico foi VÁRIOS, dando Vida a 209 Vidas ao longo da Carreira. Mas admitia em algumas entrevistas : " Através dos meus Personagens, Eu já disse Tudo, já Fiz Tudo.. Não tenho que Provar mais nada a ninguém. "

Kerley Fernandes Salguero, ( fã, admiradora e idealizadora de conteúdo para projetos virtuais ) ( @chicoanysiototal