VOCÊ CONHECE CHICO ANYSIO ? - PARTE 26

01/09/2021

RIO ANTIGO ( COMO NOS VELHOS TEMPOS ) não foi somente o Maior Clássico da Extensa LISTA de Composições do MESTRE, mas também um dos Grandes CLÁSSICOS da MPB. Gravada pela Cantora Alcione em 1979, foi primeiramente preparada para o Cantor Pery Ribeiro ( 1937 - 2012 ). " Eu e Nonato Buzar fizemos pensando nele ! Nele e no Simonal. Depois aconteceu o problema do Simonal ( as perseguições da Mídia por questões políticas ). Disse ao Buzar : ' Se der para o Simonal, ninguém toca. Não dá pra dar a música pra ele ! ' .. ..Ele deu a música pra Alcione. Mas o Simonal gravou depois ", declarou Chico no Programa MPBambas, em 2010 ( depoimento que também faz parte do Livro Homônimo, lançado em 2017 pela Kuarup Editora ).

RIO ANTIGO, ao longo dos anos, teve por volta de 15 Regravações, desde Artistas como Elymar Santos, Jorge Aragão, Dhu Moraes ( ex-integrante do Grupo FRENÉTICAS ), Márcia Short ( ex-Vocalista da BANDA MEL ), a Banda Casuarina, até NOMES DE PESO como o já mencionado Wilson Simonal, Maria Creuza, Cauby Peixoto e Agnaldo Timóteo. Já foi Regravada pelo próprio Chico Anysio, quando participou de um LP de MUSSUM ( que havia sido integrante dos ORIGINAIS DO SAMBA antes do Sucesso em OS TRAPALHÕES e lançou um Álbum SOLO Especial, em 1983 - Conteúdo já Postado neste Blog ! ) e mais recentemente foi regravada pela Cantora independente Sandra Duailibe, em 2014, em um Álbum totalmente dedicado a Canções feitas por Nonato Buzar.

Nos anos 50, como já relatado no início deste Projeto, a Cantora Dolores Duran foi a que mais gravou canções feitas por Chico e, até hoje, seu Nome é associado ao dele. Gravou A FIA DE CHICO BRITO ( regravada anos mais tarde por Elis Regina ), ZEFA CANGACEIRA e outros baiões de Sucesso escritos por Chico. O LP ESSE NORTE É MINHA SORTE, de 1959, foi produzido por Chico, cujo o Repertório completo foi feito por Ele ( algumas Canções em parceria com Dolores ).

Entre 1967 e 1968 dividiu com o Cantor Wilson Simonal a Apresentação do VAMOS S'IMBORA, que ia ao Ar pela TV RECORD e também foi Produtor do SHOW EM SI.. MONAL, na mesma Emissora, além de participar do SHOW DO DIA SETE e do ESTA NOITE SE IMPROVISA. ( Veja ou Reveja em >> https://www.memorial-chico-anysio.com.br/l/chico-anysio-na-tv-record/ ). Simonal teve Sucessos gravados Compostos por Chico como DE COMO UM GAROTO APAIXONADO PERDOOU POR CAUSA DE UM DOS MANDAMENTOS e RIO ANTIGO ( COMO NOS VELHOS TEMPOS ).

A Canção A FAMÍLIA, gravada por Jair Rodrigues, teve participação do Grupo Golden Boys, e ganhou a VIOLA DE PRATA no Festival de Música Popular Brasileira em 1968, transmitido pela TV RECORD. A Letra de Chico Anysio e Ary Toledo retratava o Modelo Familiar Machista e Conservador da década de 60.

Em 1969 teve CANÇÃO DE CHORAR, Composta em Parceria com Nonato Buzar, gravada por Claudette Soares em LP Promocional lançado pela PHILIPS naquele mesmo Ano, e ainda Assinou um TEXTO publicado na Contracapa do Disco em questão, onde falou sobre a Cantora e seu Repertório.

Quando se fala de Música e Chico Ansyio, sempre é Imprescindível lembrar de RANCHO DA PRAÇA ONZE e HINO AO MÚSICO.

" A primeira música que Eu mesmo fiz a melodia foi A FIA DE CHICO BRITO. Depois, ZEFA CANGACEIRA, as duas de 1956.. (.. ) ..Aprendi a fazer melodia com o CHOCOLATE ( Nome Artístico de Dorival Silva, Comediante e Compositor ). Ele disse : ' Vem botar a letra de uma música aqui, que a gente vai fazer um sucesso com ela lá na RÁDIO NACIONAL ! Fomos pro terraço - ele imita os instrumentos - e eu botei a letra. Era HINO AO MÚSICO ( ' Música é Alegria.. ' ).. ( .. ) ..Passou a ser o MEU PREFIXO. Aonde vou tocam essa música, e eu cedi os direitos ao gerente da Ordem dos Músicos ", relembrou Chico em sua Autobiografia.

O RANCHO DA PRAÇA ONZE foi escrita em parceria com João Roberto Kelly, especialmente para o Programa PRAÇA ONZE, na TV-RIO. Chico já havia feito com Kelly uma música especial para o programa LOVE STREET, criado por Chico na TV EXCELSIOR. A saída repentina de Chico da emissora acabou com os planos do Programa, do qual o diretor Carlos Manga transformou em TIMES SQUARE. Chico resolveu reformular o seu original LOVE STREET e transformar em PRAÇA ONZE. João Roberto Kelly, que acompanhou Chico na ida para a TV-RIO, elaborou com Ele O RANCHO DA PRAÇA ONZE, que foi gravada por Dalva de Oliveira. O Programa PRAÇA ONZE não obteve Sucesso, mas a música, além de ter se tornado um dos grandes Marcos do repertório da cantora, se tornou a canção que fez Chico Anysio passar a ser RECONHECIDO DE FATO dentro do ofício de COMPOSITOR.


Vale aproveitar o Assunto e relembrar também as famosas MARCHINHAS de Carnaval. Durante os Anos 50 e 60, quando os Carnavais eram Compostos pelas Famosas MARCHINHAS, Chico Anysio também teve Destaque com várias Composições. Além do Clássico RANCHO DA PRAÇA ONZE, gravado por Dalva de Oliveira ( RANCHO DA PRAÇA ONZE foi escrita em parceria com João Roberto Kelly, especialmente para o Programa PRAÇA ONZE, na TV-RIO, antes de se tornar Sucesso Carnavalesco ), também se destacou em 1954, com uma de suas primeiras Marchinhas escrita em parceria com Raul Sampaio : GUARDA-CHUVA DE POBRE.

" Oi deixa chover

Oi deixa molhar

O molhado é melhor de se limpar

Oi deixa chover

Oi deixa molhar

O molhado é melhor de se limpar

O guarda chuva eu acho graça

Guarda chuva de pobre é cachaça

Me molho por fora e por dentro também

Oi deixa chover

Oi deixa molhar

O molhado é melhor de se limpar

Oi deixa chover

Oi deixa molhar

O molhado é melhor de se limpar "

Chico já esteve envolvido com Carnaval algumas vezes. Em 1984 Chico foi o GRANDE HOMENAGEADO no Carnaval do Rio de Janeiro, sendo TEMA da CAPRICHOSOS DE PILARES. A Escola Desfilou em 4 de Março daquele Ano com o Enredo A VISITA DA NOBREZA DO RISO A CHICO REI, NUM PALCO NEM SEMPRE ILUMINADO, conquistando o 6º Lugar no Campeonato.

Pouco antes de completar Um Ano de seu Falecimento, Chico foi Homenageado no CARNAVAL pela Escola PARAÍSO DO TUIUTI com o tema AO MESTRE DO RISO COM CARINHO : AS CARAS DO BRASIL. Com 1.840 Componentes, divididos em 25 Alas e 230 Ritmistas de bateria Fantasiados como a dupla formada com Arnaud Rodrigues em BAIANO E NOVOS CAETANOS, a Escola Desfilou no Rio de Janeiro em 9 de Fevereiro daquele Ano, relembrando Personagens como PAINHO, AZAMBUJA, COALHADA, PANTALEÃO, SALOMÉ, BOZÓ, entre outros. Ainda Homenageado no Carnaval de 2020 pela Escola ACADEMICOS DO TUCURUVI.

Curiosidade : O Clássico VÔ BATÊ PÁ TU, de BAIANO E OS NOVOS CAETANOS, foi Regravado pela Cantora Daniela Mercury em 2004, no Álbum CARNAVAL ELETRÔNICO, com Participação do DJ Zé Pedro.

Curiosidade 2 : Chico Anysio, Caetano Veloso, o Cartunista Ziraldo, Tim Maia e Tom Jobim já estiveram juntos durante o Carnaval de 1992. O ENCONTRO Ilustrou uma Matéria da Revista VEJA, que Criticou TODOS ELES, acusados pela Publicação de Sempre falarem Mal do Brasil ao mesmo tempo em que suas Fortunas e Prestígio só Aumentavam ao longo do tempo. O Misto de Análise, Debate e Sensacionalismo da Reportagem e todos os Destaques/Passagens de Chico Anysio pela VEJA ao longo das Décadas, no Espaço BAÚ DE MEMÓRIAS deste Blog :

>> https://www.memorial-chico-anysio.com.br/l/bau-de-memorias-chico-anysio-na-revista-veja-parte-1/

>> https://www.memorial-chico-anysio.com.br/l/bau-de-memorias-chico-anysio-na-revista-veja-parte-2/

>> https://www.memorial-chico-anysio.com.br/l/bau-de-memorias-chico-anysio-na-revista-veja-parte-3/

A Revista VEJA, a mais Importante da Editora Abril e a de maior Sucesso e Relevância ao longo das Décadas, já faz muito tempo foi perdendo Prestígio e Credibilidade. Apesar disso, foi uma das poucas Revistas que permaneceram no CAST da Abril ( que em Agosto extinguiu mais de 8 TÍTULOS e promoveu DEMISSÕES EM MASSA ). Voltada a assuntos de Política, Cultura e Comportamento, era Competidora com a extinta MANCHETE, da Editora Bloch, do mesmo Segmento. Surgida em 1968, a VEJA permanece até hoje, envolta em polêmicas e FAKE NEWS. Porém, essa Característica não é Atual. O MISTO de Jornalismo e OPINIÃO já causou grandes problemas e já fez Vários Nomes ( Artísticos e do Poder Público ) serem Noticiados ou FOCO de Reportagens de maneira Deturpada. Durante diversas vezes, Chico Anysio foi ALVO dessa Característica da Revista. Por vezes Criticado, também teve algumas Matérias e Entrevistas Relevantes publicadas de forma Imparcial.

A Mais Famosa APARIÇÃO de Chico Anysio na VEJA ao longo das Décadas foi a CAPA e MATÉRIA publicadas em 1975. Em O CONGLOMERADO CHICO ANÍSIO, Chico relembrou a Carreira, falou sobre Personagens, Shows e Esquemas de trabalho. A Matéria trouxe também depoimentos de Profissionais que trabalhavam com Chico na época, como o Cartunista Ziraldo, o Humorista, Redator e parceiro Arnaud Rodrigues e o Redator José Wilson. " Chico é o melhor Comediante brasileiro, e é muito fácil trabalhar com Ele.. (.. ) ..Eu já sei como é, porque dez anos atrás já escrevi alguns quadros do CHICO ANÍSIO SHOW. Agora, para se Entender, é preciso entrar na Dele ", declarou o ex-jornalista. Ziraldo, que era Colaborador de Textos para os Espetáculos de Chico desde 1963, revelou que passava meses escrevendo ( e ganhando seu faturamento ) sem ter seus Textos utilizados. Ziraldo já havia exposto e explicado sobre esse assunto em outra Revista, CLAUDIA, em 1970, quando a Publicação Feminina mais Famosa e Importante da Editora Abril trouxe uma Matéria Especial com Chico Anysio ( Também já Postada neste Blog >> https://www.memorial-chico-anysio.com.br/l/chico-anysio-revista-claudia-1970/ ). " Durante muito tempo, eu colaborei com Chico. Mandava um monte de piadas e monólogos para ele, todas as semanas, e recebia o pagamento em dia. Quando eu ia ver o programa na TV, nada. Nenhuma das minhas piadas tinha sido usada. Um dia, soube que Chico tinha arquivado todas elas. Quando Eu menos esperava, ele fazia um programa inteirinho ou um Show com todas as minhas Piadas. O mais genial foi o que aconteceu na última temporada do Teatro da Lagoa. Ele contou três piadas minhas e me mandou receber os Direitos Autorais na SBAT. Fiquei de boca aberta : ' Mas, Chico, eu já recebi o dinheiro por essas piadas há três anos, seu '. E Ele me explicou : ' Agora é diferente. Não é justo que Eu ganhe tudo Sozinho. Calculei tudo pelo tempo de duração. Você tem direito a, exatamente, 1 % do faturamento. ' As três piadas duraram cinco minutos. Me renderam 10.000 Cruzeiros. Nenhum Artista é tão Organizado e Honesto como o Chico. " Na época da Matéria da VEJA, Ziraldo havia se tornado responsável pelas Capas dos Livros e Discos de Chico, além dos Logotipos de Shows. Amigos de longa Data, Ziraldo já teve até mesmo a Oportunidade de entrevistar Chico Anysio para o Programa O PAPO, exibido pela Antiga TVE, do Rio de Janeiro,em 1989, mesmo ano em que deram início a Idealização de um Projeto : Planejaram Juntos a Construção de Um Livro que traria as Histórias dos Personagens de Chico contadas pelo Mestre, Ilustradas por Desenhos de Ziraldo. O Projeto foi Interrompido, e mais tarde Ziraldo cortou Relações com Chico ( julgamento pelo Casamento com a ex-ministra Zélia Cardoso de Mello ). Retomaram a Amizade anos depois e o Livro em questão só foi Finalizado e Lançado em 2007, com Desenhos de Ziraldo e outros 35 Cartunistas Famosos que Ilustraram os Principais Personagens de Sucesso de Chico, Pesquisados por André Lucas, filho de Chico, e pelo Jornalista Sérgio Martins. Ricky Goodwin, do extinto Jornal O PASQUIM, fez a Curadoria das Caricaturas e o Projeto Gráfico do Livro ficou a Cargo de Fernanda Precioso. O Livro É MENTIRA, CHICO ? é a Cópia da Capa de É MENTIRA, TERTA ?, que o Mestre escreveu em 1973, baseado no Sucesso do Personagem PANTALEÃO. OS DIREITOS AUTORAIS do Livro foram Entregues ao Ator e Diretor Stepan Nercessian, cuja Renda com as Vendas foi Destinada ao RETIRO DOS ARTISTAS.

Em 1975 Chico ainda se DESTACOU em outras Duas Revistas : A Edição 186 da CONTIGO !, da editora Abril, destacava o Sucesso de Chico Anysio com as Mulheres, " apesar de não ser nenhum Galã ". Ao Contrário da Introdução da Matéria, o Conteúdo não tinha nada demais : apenas relembrava os Casamentos com a Comediante Nancy Wanderley e com a Atriz Rose Rondelli, o breve Romance com Sônia Braga e o início de namoro com a Atriz Débora Duarte. A Chamada de Capa " A ESCANDALOSA VIDA SENTIMENTAL DO MILIONÁRIO CHICO ANÍSIO " foi apenas uma Jogada de Marketing para chamar a Atenção do Público e Movimentar as Vendas da Revista. Como já vimos em textos anteriores deste Projeto, a Vida Sentimental de Chico só passou a ser extensa de FATO a partir de 1980, após o Rompimento de seu terceiro Casamento com Alcione Mazzeo, e em 1991, após o Rompimento do quarto, com Regina Chaves. Na extinta revista FATOS E FOTOS, da editora Bloch, Chico participou de uma espécie de Jogo rápido de Perguntas e Respostas. Estampou a Capa caracterizado de SEVERINO PANDOLÉ, " O Homem dos Passarinhos ", Personagem de Sucesso que era o Defensor Ecológico de CHICO CITY.

Falando em Revistas, Chico Anysio sempre esteve EM FOCO na Mídia, sobretudo no Mercado Editorial. Desde a Década de 50, nos tempos do Rádio, até seus últimos anos de Vida. Com uma Carreira Brilhante, além do Prestígio como Humorista, seus múltiplos Ofícios paralelos sempre foram Assunto e, sua própria personalidade AUTÊNTICA, e, várias vezes POLÊMICA, rendeu Incontáveis Reportagens e Entrevistas, muitas delas MEMORÁVEIS !

Como já relembrado em textos anteriores, a Primeira Edição da extinta revista INTERVALO no Mercado Editorial, em Janeiro de 1963, já destacava Chico Anysio, com direito a Suplemento ( que trazia Chico como LIMOEIRO e a atriz Zélia Hoffman ). O Sucesso de Chico, já na ERA DA TELEVISÃO, rendeu um Espaço Exclusivo do Mestre dentro da REVISTA, chamado CHICO ANÍSIO RESPONDE. Em 1968, na Edição 317 da Revista, o próprio Chico assinou uma Matéria, fazendo um Breve Resumo Autobiográfico ! No início dos anos 70 o cantor Sílvio César ( famoso pela Composição de PRA VOCÊ, Canção Regravada por mais de 20 nomes Importantes da música brasileira, incluindo Roberto Carlos e Gal Costa ), estreou uma coluna como repórter na Revista, chamada AS ENTREVISTAS ÍNTIMAS DE SÍLVIO CÉSAR. Chico Anysio foi um dos artistas entrevistados, na edição 409, onde, diferentemente do assunto TRABALHO, o tema abordado durante toda a entrevista foi AMOR.

Foi Destaque na Edição 264 da Revista CINELÂNDIA, em 1963, no Auge do Sucesso de CHICO ANÍSIO SHOW, pela TV-RIO. Foram inúmeras Aparições em Revistas Diversas, principalmente durante a década de 70. A Extinta Revista AMIGA - TV TUDO, da editora Bloch, competidora Direta em Vendas com a também extinta CONTIGO !, da editora Abril, foi a Revista de Televisão e Celebridades que mais deu FOCO ao mestre Chico Anysio, desde 1970. No que diz Respeito a MANCHETES DE CAPA, Chico apareceu diversas vezes. Em 1979 estampou a CAPA da revista MANCHETE como SALOMÉ. Dez anos antes, apareceu na CAPA da VEJA com Grande Otelo e Jô Soares. Em 1982, na ISTO É, quando PAINHO, criado naquele ano, Conquistou o País. Outras revistas, de outros Estilos, destacaram Chico em CHAMADAS DE CAPA. Em 1991 esteve na revista DESFILE e em 1978 concedeu entrevista á REVISTA Masculina ELE ELA, ambas da editora Bloch.

De Conteúdo mais AMPLO, a extinta Revista MANCHETE, da editora Bloch, trazia Reportagens sobre Atualidades do Brasil e do Mundo, falava sobre Política, e trazia Matérias com as mais diversas Personalidades da Música e da Televisão. Chico Anysio foi um dos artistas Recordistas de Aparições na Revista desde o ano de 1962 até a extinção da revista no ano 2000. Foram cerca de 68 Matérias com Chico Anysio durante toda a trajetória da Revista, lançada em 1952, e que passou a FOCAR em Chico diversas vezes, a partir de 1962 até o ano 2000. Entre as Matérias/Entrevistas MAIS MARCANTES de Chico na Publicação, estão as Históricas AS PREOCUPAÇÕES DE UM HUMORISTA, escrita por Carlos Lacerda e CHICO ANÍSIO NO PAREDÃO, de Creston Portilho, ambas publicadas em 1970. Outra Matéria publicada na revista que vale relembrar foi quando a MANCHETE deu Exclusividade ao Sucesso do Espetáculo em CHICO ANÍSIO NÃO ESTÁ SÓ, em 1969. O Destaque ficou por conta de um dos Monólogos mais Famosos do Show : Chico Anysio contando sobre seu NASCIMENTO ! Na Matéria, o Professor Chaim Katz, na época um dos Membros da Escola de Comunicação do Rio de Janeiro, declarou : " O Fato de Chico gostar de se Ridicularizar representa uma procura de Maior Identificação com o Público. Ele parte para cima de Si Mesmo com uma espécie de MASOQUISMO que o Público recebe com SADISMO. É Isso o que faz Rir. "

Chico Anysio mantinha, no TEATRO DA LAGOA, o mesmo Sucesso que obtinha na época do Programa O RISO É LIMITE, que registrava Audiência de 60 %. A Reportagem apontou que a QUEDA de Porcentagem nada significava, porque os Números Absolutos eram praticamente os mesmos : em 6 Anos apenas 16 ou 17 Mil Espectadores cansaram de Ver Chico Anysio pela TV, ou de Ver Televisão. O Professor Katz prosseguiu explicando : " Em Síntese, o que mudou foi a Televisão, não Chico Anísio. Ele continuou sendo o Preferido das Camadas Média e Alta da População, cujos Padrões de Humor são muito Diferentes. As Classes Abastadas, naturalmente, tem possibilidades de maior desenvolvimento Intelectual.. "

A Reportagem ainda Apontou que entre Chico Anysio e a Televisão daquele período, havia uma Distância Crescente. " O Tipo de Humor que Ele faz não é dos melhores para quem tem que se apresentar todas as Semanas. Enquanto Animadores como Chacrinha e Silvio Santos utilizam como Atração o próprio Público - os Calouros, os Candidatos e Competidores nas mais estranhas Disputas - Chico é Apenas ELE SÓ - o único Responsável pelas Inovações, criador de Centenas e Milhares de Piadas ditas em cada Programa, uma após a outra. No Teatro é Diferente : UM SÓ SCRIPT, bem Caprichado, tem servido aos 200 Espetáculos e arrancado Aplausos de 80 Mil Pessoas. Nesse ritmo, Ele terá ainda 15 Meses para Esgotar o Público Potencial dos 160 Mil que o escolhiam na Televisão, em 1961. E já está Ensaiando um Novo Show, com Novo SCRIPT, com o Título que dá a Medida do seu Humor Fino : GOSTEI MAIS DO OUTRO. "

A MANCHETE já havia publicado uma Reportagem Especial sobre Chico Anysio e seus Esquemas de Trabalho, sendo o CHICO ANÍSIO SHOW, na TV-RIO, o Maior Fenômeno Humorístico da Televisão naquele período. Um dos Trechos da Matéria Destacou : " Com impressionante independência, Chico costuma ridicularizar os mais temidos Figurões Nacionais, se estes não se soletram pela Cartilha POVO. Quando a CENSURA da TV ou a CENSURA da POLÍCIA Divergem da Sua CENSURA ÍNTIMA, Ele arranja um jeitinho de dizer as Coisas com palavras diferentes, mas que deixarão Tudo Claro aos Ouvintes. ÁS vezes, Fere sensibilidades sem querer. Foi o que aconteceu na Semana passada ao Parodiar O HINO NACIONAL DA FRANÇA, a Célebre MARSELHESA. O Embaixador Francês, irritado, fez um Protesto Oficial ao Artista.. (.. ) ..Em Média, Chico apresenta Dez Caracterizações por Programa. Com Voz RICA em TONALIDADES e possuindo uma DICÇÃO Naturalmente Perfeita, Chico constrói os seus Tipos no meio do Povo. Ouvidos e Olhos Atentos, guarda na memória Expressões e Cacoetes de pessoas que cruzam seu caminho Diário. Da Experiência tirou esta Lição : ' Quando alguém é parecido Fisionomicamente com Outro, seu Caráter também é mais ou menos do mesmo Calibre. Observo este Fenômeno desde os meus tempos de Ceará' ".

Intérprete de 23 Personagens naquela época, Chico ainda fez outras Revelações : " Uma vez na Pele Deles procuro ' senti-los ', como se fossem realmente Pessoas VIVAS. Dou-lhes o TOM PRÓPRIO, desde o Timbre de Voz aos gestos mais Discretos. É uma espécie de TRANSPOSIÇÃO PSÍQUICA - se isso existe - ou pelo menos uma Tentativa. Quando crio Novos Tipos, apresento-os ao Público quase de Improviso. Se os Ensaiasse antes de levá-los ao Vídeo, a Voz do CEL. LIMOEIRO, por exemplo, jamais seria ROUQUENHA. Ela exige de Mim um Esforço de Composição Sobre-Humano. Só Deus sabe quanto me custa Pronunciar aquele ' ALGUÉM ' ".

A mesma Reportagem também Destacou o Esquema de Chico Anysio em se MANTER NO AR, sendo a Televisão uma " Grande Assassina de Artistas, Liquidando-os em pouco tempo " : " Chico Anísio Aumenta o ROL de suas Criações de acordo com as suas Necessidades de Sobrevivência. A Questão é NÃO CANSAR A PLATÉIA. Quando sente que Um de seus Personagens está SATURANDO, coloca-o em QUARENTENA e Convoca OS RESERVAS.. "

Em 1968, a mesma Revista trouxe de Volta o Mestre do Humor e o MESMO TEMA como Assunto Central : " Ele vive dezenas de Tipos Diferentes, mas está PRESENTE em CADA UM DELES. E TODOS ELES estão PRESENTES nas RUAS " . Chico explicou : " Esta é Condição Básica para um Personagem Existir, pois ele só tem Verdade se puder Sofrer, Amar, Rir, Chorar, Enganar.. " Chico, 6 Anos depois da Reportagem anterior, já havia Aumentado sua Bagagem de Tipos de 23 para 35 : " Tenho 35 Personagens e acho que nenhum deles é de Mentira. Podem ser a Supercrítica, mas de alguma coisa que existe.. (.. ) ..Todos os Personagens que Eu faço baseiam-se em alguma pessoa que Eu Conheci.. "

Chico Anysio ainda prosseguiu explicando o processo de CONSTRUÇÃO de seus TIPOS : " Naturalmente, procuro aqueles Caracteres Marcantes, Caricaturáveis. Pode ser a Voz, a Filosofia de Vida ou a Gesticulação. Já fiz um Personagem que tinha a Voz do Rodolfo Mayer ( Famoso Ator de Novelas da Década de 1970 ); o BIM-BIM, aquele Nordestino que está sempre querendo ter ' UM ATRITO ', tem a Voz do Luís Gonzaga ( Chico também Deu a Voz de Luís Gonzaga - portanto a mesma - anos depois ao Personagem Clássico PANTALEÃO, surgido em 1973 em CHICO CITY ); O ALFACINHA tem como principal característica aquele CACOETE de entregar seu Cartão de Visitas. Isso nasceu durante uma viagem para São Paulo, de avião. Depois de sobrevoarmos a cidade durante um tempo, o Piloto comunicou que voltaríamos ao Rio, devido a falta de teto para aterrissar. Nisso levanta-se um Sujeito e diz que de jeito nenhum, que ele ia ficar em São Paulo de qualquer maneira. ' Diga apaar o Comandante que Eu sou o Sousa - olha o Meu Cartão - e que o Sousa fica em São Paulo. Ele desce, Eu salto e depois vocês podem ir para onde quiserem. '. E não adiantava a Aeromoça tentar explicar a Situação, pois ele continuava a afirmar que era o Sousa e a distribuir seus Cartões", contou Chico.

Chico sempre fez questão de deixar Claro o quanto O HOMEM era completamente Diferente do ARTISTA. Em 1974, em entrevista á Jornalista Marisa Raja Gabagglia, para a MANCHETE ( já Resgatada e Postada por este Blog ! ), declarou sobre Si Mesmo : " Chico fala em Frases Curtas, Ritmadas, com o tempo certo. Sotaque nordestino Acentuado, objetivo e Sintético ao Raciocínio, é Pessoa de modos Reservados, quase Tímido. "

No mesmo Ano e na mesma Revista, já havia declarado ao Jornalista Narceu de Almeida : " O Cara que é muito Alegre e Extrovertido não é Humorista vai ser GAIATO. Todos os Humoristas que Conheço são pessoas bem diferentes na Vida Real. Eles dizem coisas espirituosas e engraçadas, mas raramente dão gargalhadas. E nem é Dever Deles dar Gargalhadas, e sim fazer com que deem. Ou melhor ainda, fazer com que Pensem.. (.. )..Mas Hoje em dia a palavra HUMORISTA adquiriu um Sentido meio Pejorativo, porque passou a ser Atribuída a quem Não É."

Em seus Últimos Anos de Vida, Chico Anysio evitava Assistir Programas de Humor. Por não poder Analisar/Criticar ( foi Expressamente PROIBIDO pela TV GLOBO - em CLÁUSULA de CONTRATO - de OPINAR sobre qualquer Programa da Casa ) e pelo próprio desagrado com os RUMOS tomados pelo Humor no Brasil. " Há dois tipos de Humor: o Engraçado e o Sem Graça. De repente, na Globo, acharam que era preciso uma coisa nova. Mas o Humor nunca pediu uma coisa nova. Ele pede apenas uma coisa engraçada. Recentemente, o "CQC" foi apontado como o melhor programa de humor da televisão brasileira, mas aquilo não é Humor. É jornalismo combativo, irreverente. O "Pânico" atinge uma parcela pequena da juventude. E o "Casseta & Planeta", quanto será que daria de Ibope, se não estivesse na Globo? ", disse ao Jornalista Leonardo Attuch, em entrevista á Revista ISTO É, em 2009 ( Conteúdo já Postado na ÍNTEGRA por este Blog ! ). Na época, Chico sofria um Lamento Profundo por ter sido deixado de lado pela Televisão. " O Artista está vivo enquanto Atua. E Eu, que sou um Ator de televisão, estou à procura de um Teatro. Criei Dez Novos Personagens e quero mostrá-los. Além disso, o PALCO é CURATIVO. Às vezes, tenho uma baita dor de estômago. Subo num palco, a dor passa. Saio, ela volta. "

O PALCO foi o " HABITAT " mais Marcante da Trajetória Artística do Mestre. A Popularidade e O Sucesso de Chico Anysio na televisão, através do CHICO ANÍSIO SHOW, foi o que ocasionou a ida de Chico para os Palcos. Estreando em 1963 no FLUMINENSE e depois no CLUBE NAVAL, Chico Consolidou o chamado STAND-UP e tornou seu SHOW um verdadeiro FÊNOMENO. Em 1969, o Sucesso estrondoso de CHICO ANÍSIO SÓ.. já havia atingido 220 apresentações e sido Visto por 80 Mil espectadores. Igualmente, GOSTEI MAIS DO OUTRO, UMA NOITE COM CHICO ANÍSIO, NO QUARTO COM CHICO, AÍ-5 e CHICO TOTAL ( lançado em 1978 e que chegou a ter Registro gravado em LP, pela WEA, em 1980 ) sempre foram Sucesso em suas Apresentações pelo Brasil. E os vários outros que vieram ( Relembre TODOS em CHICO ANYSIO - SHOWS E ESPETÁCULOS, já Publicado por este Blog ! >> https://www.memorial-chico-anysio.com.br/l/chico-anysio-shows-e-espetaculos/ ), se tornaram uma TRADIÇÃO ( tanto no que diz respeito ao Ofício de Chico Anysio, que jamais parou de viajar pelo país apesar de suas inúmeras atividades e os Programas na TV, como no que se refere ao Público Fiel, que nunca deixou de Prestigiá-lo nas plateias do Brasil a fora. ). " Quando alguém que está com problemas vai me ver no Teatro e sai rindo, eu fico satisfeito, sinto-me até como uma espécie de Médico. Outro dia, em Porto Alegre, uma senhora quase deu á luz no teatro durante meu espetáculo. Ela riu tanto que a bolsa d'água se rompeu, o negócio quase atrapalhou o Show. Mas aquela mulher estava Feliz, e essa felicidade o Som que a nova geração ouve não dá. Acho meu trabalho Reconfortante, porque a única coisa que procuro é o bem-estar das pessoas, é fazer com que o público ria ", declarou no mesmo ano á extinta Revista MANCHETE ao jornalista Narceu de Almeida, na Mesma Entrevista já Mencionada.

" O Show de Chico é o que pode se chamar de CLÁSSICO. Piadas de Português, Imitações de várias nacionalidades, graças do casal em lua-de-mel, até a sogra velha de guerra. Lugares comuns das situações e dos caracteres do cômico ", escreveu Carlos Lacerda em sua Reportagem Especial sobre Chico Anysio, publicada em 1970 pela extinta Revista MANCHETE. Eis que Chico explicou na ocasião : " Há quem Censure dizendo que o meu show deveria ser melhor. Mas Eu tenho um Argumento a meu favor : se for outro Gênero de Cômico, não sei se o público vai me aceitar como aceita. Ora, eu sou um Profissional. Tenho que fazer não o que alguns gostem, mas o que o dentista e o alfaiate de alguns gostem. Inclusive porque alguns não pagam Ingresso e eu tenho de fazer o que está ao alcance de todos num dado momento. Tenho de fazer Concessões. Sei que tenho de conceder com Dignidade, mas não conceder a doze pessoas seletas, que vão achar sensacional.. "

Ainda sobre a Revista MANCHETE, entre os anos de 1991 e 1992, a MARCA Explorou de Todos os Modos o Polêmico Romance de Chico com a ex- ministra Zélia Cardoso de Mello. O Casal foi Recordista de Capas e Matérias na Publicação desde o início do Relacionamento até o Casamento e Nascimento dos filhos.

Também pertencente á Editora Bloch, a Extinta Revista AMIGA - TV TUDO, como jpá vimos, era competidora Direta em Vendas com a também extinta CONTIGO !, da editora Abril e foi a Revista de Televisão e Celebridades que mais deu FOCO ao Mestre Chico Anysio, desde 1970.

As Passagens mais Marcantes pela Revista já foram Postadas por este Blog no Espaço BAÚ DE MEMÓRIAS >> https://www.memorial-chico-anysio.com.br/l/bau-de-memorias-chico-anysio-na-revista-amiga-tv-tudo/.

Em 1991, Três Edições Seguidas da Revista Recapitulou a Vida e Carreira de Chico Anysio no Especial A VIDA ÍNTIMA DE CHICO ANYSIO ( Edições 1.115, 1.116 e 1.117 ). No Especial, produzido pela Jornalista Luciana Barcelos, Chico Anysio relembrou o início de Carreira, os Primórdios na Televisão, o Fenômeno do CHICO ANÍSIO SHOW, os trabalhos na GLOBO, os desentendimentos com a Emissora, os Personagens e o Processo de Criações. Também relembrou seus Casamentos e falou da Autobiografia SOU FRANCISCO, prestes a ser Lançada. Chico explicou que seu 14º Livro tinha por objetivo ajudar profissionais em início de carreira e alunos de Faculdade de Comunicação.

Chico declarou que, se pudesse dividir sua Vida em CAPÍTULOS, a Fase em que começou a trabalhar em Televisão seria o QUARTO, uma Fase de muita responsabilidade, já que começava a Cuidar de sua IMAGEM e não apenas da VOZ. Sua INFÂNCIA seria o PRIMEIRO, a chegada ao Rio de Janeiro o SEGUNDO, os primeiros Anos de RÁDIO seria o TERCEIRO e a partir daí a entrada na Televisão. A época de SHOWS já estaria no SEXTO e daí em diante á chegada á GLOBO e o Amadurecimento Profissional. " Agora ( Anos 90 ) Eu estou começando a Vida. Já estou numa SÉTIMA FASE, que é muito Boa, não poderia estar Melhor ", contou na Reportagem. Na época Chico Anysio já era Intérprete de 188 Personagens, e dizia que PROFESSOR RAIMUNDO era o seu Predileto, alegando : " Ele me Botou no Rádio e também me Botou na Televisão. "

Chico revelou Segredos e Curiosidades, como por exemplo, a Mania de não se deixar Fotografar antes de estar totalmente Caracterizado. Também era de conhecimento de vários a dificuldade em estar VESTIDO dos PERSONAGENS e falar com a sua própria Voz ( ou VICE-VERSA, fazer a Voz dos Personagens sem estar VESTIDO Deles ).

O Assunto PERSONAGENS já foi explorado por Diversas Publicações ao longo dos Anos. INSPIRAÇÃO era o Tema mais recorrente dentro do Assunto em Questão. Em 1977, declarou a extinta Revista ROMÂNTICA : " Todos são Casos Sociais.. (.. ) ..Ás vezes você pode até fazer um Personagem se Inspirar num Tipo e não fazer o Personagem Fisicamente com Ele, e vice-versa. O MEINHA, por exemplo, me inspirei um pouco no MARINHO ( Jogador ) : o Cara Ingênuo, Puro, bom de Bola, que veio de Baixo e acabou fazendo Sucesso no Exterior. Mas o MEINHA fisicamente não tem nada do MARINHO. "

Falando em INSPIRAÇÃO, de um modo Geral, Chico Anysio tinha suas próprias Opiniões a respeito. O Mestre tinha uma Frase ( dentre as suas Muitas Famosas ), que dizia : " Não Acredito em Inspiração, mas em Transpiração. " Ou seja, segundo Ele, não adianta esperar as IDEIAS Surgirem na Cabeça. Tem que se Esforçar e Criar.

Em sua Autobiografia de 1992, Chico fala sobre isso : " O Autor, o Escritor, vive outro tipo de delírio. Pelo fato de ser CRIADOR, ele precisa ter alguma vivência. Ninguém pode escrever Bem sobre uma coisa que não conhece. Por esta razão, Eu frequentei Todos os Ambientes possíveis. Fui a Gafieiras, Dancings, festas do Society, Puteiros, Bares, Botequins, Bilhares, Palácios, Campos de Futebol, Corridas de Cães, Casas de Massagem, o diabo. Na maior parte das vezes, fui apenas como observador, como aluno. Eu não queria uma Mulher, na casa de Massagens, mas precisava saber como funciona, para escrever a coisa Certa, se fosse necessário. "

Chico também dizia, em várias entrevistas ao Longo da Carreira, que Ele era o " Retratista da Vida ", e que as Situações do Cotidiano, os Problemas e o Comportamento das Pessoas eram a MATÉRIA PRIMA do HUMOR.

Também esteve em várias Ocasiões na Revista PLACAR, que foi a mais famosa Revista voltada ao Assunto, pela editora Abril. Chico Anysio foi Destaque de uma Matéria em Outubro de 1981, em Edição Especial, Dedicada ao PALMEIRAS ( Já Publicada por este Blog ! ) e em 1988 concedeu entrevista Especial á mesma Revista, para o Jornalista Jorge Luíz Rodrigues, revelando toda a Insatisfação com os Jogadores brasileiros da época e propondo Mudanças para Atrair o Público.

Chico Anysio explicou na Conversa o porquê de ter trocado o AMÉRICA pelo VASCO e lembrou de quando foi Flamenguista. " Já fui VASCO e FLAMENGO antes de torcer pelo AMÉRICA e voltei a ser Vascaíno. Quando torcia pelo VASCO os dirigentes deram bilhete azul ao técnico Gentil Cardoso em 1952, assim que ele ganhou o Título Estadual. Era uma Manobra para trazer o Flávio Costa de novo. Achei uma Injustiça e mudei para o FLAMENGO que tinha ficado em 7º Lugar, atrás até do OLARIA.. (.. ) ..Fui FLAMENGO até 1961. Um dia Fadel Fadel ( ex-Presidente do Clube ) fez uma grande safadeza com Fleitas Solich. Aí tirei o que tinha de Sujo na Camisa e ela ficou só Vermelha " ( Risos ).. (.. ) ..Fui AMÉRICA até Completar 50 Anos. A equipe precisava empatar com o NÁUTICO, em São Januário, se quisesse passar para a Segunda Fase do Campeonato Brasileiro. Era um Jogo do qual Eu não tinha Medo. Aí, o AMÉRICA Perdeu por 3 a 1. Quando a Partida terminou, resolvi Mudar. Não posso passar minha Velhice preocupado. Fim de Semana é para se Divertir, não para Sofrer. Voltei a ser VASCO, Clube que Eu Nunca deveria ter Abandonado."

Sobre as Mudanças necessárias para acabar com a Crise do Futebol Brasileiro naquele período, Chico sugeriu : " Falta mais Divulgação. O Futebol desistiu de ser uma Festa. O Preço do ingresso ficou muito Caro. Só que, se colocarem o Ingresso mais Barato, a Renda não cobre as Despesas.. (.. ) ..Seria necessário Mudar as Regras. O Futebol continua a mesma coisa há Anos.. (.. ) ..As Mudanças precisam ser Muitas. Tinham de ser 10 Jogadores de cada Lado, e não 11. Assim, seriam criados mais Espaços no Campo. Em vez de Duas substituições, Eu permitiria 3 em Cada Tempo. A Lei de Impedimento tinha de ser Mudada. Eu Traçaria uma Linha no Prolongamento da grande Área e só haveria Impedimento Ali.. "

Também falou de seus Famosos Personagens : " Não ponho o JUSTO VERÍSSIMO falando de Futebol porque não gosto de Pisar naquilo que está Ruim.. (.. ) .. " Dei um descanso ao COALHADA. Ele vai voltar ao Programa em 1989, jogando na Itália.. "

Kerley Fernandes Salguero, ( fã, admiradora e idealizadora de conteúdo para projetos virtuais ) ( @chicoanysiototal )